Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

DIETA DO MEDITERRANEO NA PREVENÇAO SECUNDARIA DE EVENTOS CARDIOVASCULARES APOS INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO: REVISAO SISTEMATICA

Fundamentação/Introdução

INTRODUÇÃO: A doença arterial coronariana (DAC) representa um dos maiores problemas de saúde no mundo. Entretanto, apesar da conhecida influência dos hábitos na progressão da doença, há de se levantar de forma sistemática evidências científicas sólidas de uma abordagem dietética na prevenção secundária de eventos cardiovasculares (CV).

Objetivos

OBJETIVO: Avaliar se a dieta do Mediterrâneo (DMed) pode reduzir a taxa de eventos CV após o primeiro infarto agudo do miocárdio (IAM).

Delineamento e Métodos

MÉTODOS: Trata-se de uma revisão sistemática, baseada nas diretrizes do PRISMA. Foi realizada pesquisa nas bases de dados MEDLINE, EMBASE e LILACS, sendo incluídos ensaios clínicos randomizados (ECRs) que acompanharam pacientes com história de IAM e que compararam a incidência de desfechos CV nos grupos que realizaram a DMed (intervenção) e qualquer dieta de controle.

Resultados

RESULTADOS: Foram encontrados 359 artigos na busca inicial. Após remoção de duplicatas e revisão dos estudos, foram incluídos 4 artigos. Dois ECRs demonstraram que a DMed se associou, de forma significativa, à redução de morte CV, novo IAM, IC não fatal, AVC, angina instável (AI) e evento tromboembólico, quando comparada ao grupo que recebeu orientações dietéticas gerais. Um deles verificou, após um tempo médio de 27 meses, redução de risco de 76% (p<0,0001) dos eventos CV, enquanto, no segundo estudo, houve, após 3 anos, redução de 70-80% (p<0,005 a p<0,0001). Por outro lado, outro ECR comparou a DMed à dieta hipolipídica e verificou, após acompanhamento de 101 pacientes por 46 meses, que não houve diferença significativa (p=0,36 a p=1,0) nos desfechos, mas a AI reduziu quando tais grupos foram comparados a um terceiro sem dieta específica (p=0,024). Outro estudo, com 1000 pacientes com fatores de risco para DAC, episódios de angina ou IAM prévio, verificou que, após 2 anos, o grupo intervenção apresentou menor incidência de IAM não fatal (IC95% 0,28-0,79), morte CV (IC95% 0,13-0,79), desfechos CV totais (IC95% 0,33-0,71) e incidência de IC não fatal (p=0,0003), mas angina, AVC e IAM fatal não tiveram significância estatística.

Conclusões/Considerações finais

CONCLUSÕES: A DMed possui, exceto quando comparada à dieta hipolipídica, efetiva ação cardioprotetora, reduzindo importantes desfechos CV em pacientes com IAM prévio, pela ação em diferentes mecanismos fisiopatológicos. Entretanto, diante da escassez de ECR sobre a temática, é necessária a realização de mais estudos originais, para que as evidências sobre os benefícios da DMed possam ser fortalecidas.

Palavras-chave

Dieta Mediterrânea; Infarto do Miocárdio; Acidente Vascular Cerebral; Cardiologia;

Área

Cardiologia

Instituições

Universidade Federal da Paraíba - Paraíba - Brasil

Autores

PEDRO HENRIQUE LEITE DE ARAÚJO, VINÍCIUS DE AMORIM E JORGE, ANDRESSA ALVES DE CARVALHO, THALES ARAÚJO BORGES, KAIO JOSÉ SANTOS DE ANDRADE, ARISTIDES MEDEIROS LEITE