Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

POLICONDRITE RECIDIVANTE: UM RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

A policondrite recidivante (PR) é uma doença inflamatória sistêmica rara, de caráter auto-imune, recorrente, que caracteriza-se por inflamação e destruição dos tecidos cartilaginosos do corpo. Acomete preferencialmente as cartilagens auricular, nasal e articular, porém com potencial de acometimento multisistêmico. O diagnostico é um desafio clinico por ter um quadro clinico com inúmeras manifestações clinicas inespecíficas. O tratamento da PR é baseado no uso de corticoterapia e outros imunossupressores, sobretudo terapias biológicas.

Objetivos

Descrever o relato de caso de um paciente acometido por Policondrite Recidivante atendido num hospital de referencia de clinica médica.

Delineamento e Métodos

Caso clinico do paciente do sexo masculino, 46 anos, natural de Recife, admitido no serviço há 1 ano e 6 meses, com diagnóstico de PR e ceratite ulcerativa periférica. Ao exame físico, apresentava-se em uso de prótese ocular à direita, baixa acuidade visual à esquerda, pavilhão auricular de aspecto infiltrado e enrijecido à palpação. Ao exame de tomografia observou-se extensas calcificações da cartilagem auricular bilateralmente; tênues calcificações em parede traqueal anterior; brônquios de paredes espessadas em lobo inferior direito. Diante dos achados clínicos e radiológicos, o paciente preencheu os Critérios de Mc Adam, fechando o diagnóstico de PR. Adicionalmente, o paciente referiu queixas de neuropatia periférica e vasculite necrotizante nos membros inferiores, e observou-se amputação parcial do hálux esquerdo e do 2º pododáctilo direito, além de necrose seca em 5º pododáctilo esquerdo, e tuberculose latente.

Resultados

O tratamento inicial teve como foco a imunossupressão e PPD forte reator, com isoniazida e prednisona 1mg/kg/dia e metotrexato, além de pregabalina para controle das queixas neuropáticas. Sem melhora expressiva, e piora da acuidade visual em olho único, foi prescrita a pulsoterapia com metilprednisolona, que promoveu melhora da PR, queixas da neuropatia periférica, e estabilização do quadro clínico oftalmológico. Quanto ao déficit auditivo, foi visualizada perfuração da membrana timpânica e otite média não supurativa à direita, perda auditiva neurossensorial profunda em ouvido direito e moderada em ouvido esquerdo.

Conclusões/Considerações finais

A PR é uma patologia rara de difícil diagnóstico, cuja abordagem terapêutica atualmente é limitada a estudos pequenos, que indicam a imunossupressão como forma terapêutica primária, porém apontam os medicamentos imunobiológicos como terapias promissoras.

Palavras-chave

policondrite recidivante; policondrite recorrente; policondrite crônica atrófica.

Área

Reumatologia

Instituições

hospital barao de lucena - Pernambuco - Brasil

Autores

TAYNAN LEITE BARROS, DEBORAH RODOVALHO MENEZEA