Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ESPOROTRICOSE: RELATO DE CASO CLINICO

Fundamentação/Introdução

A esporotricose é uma micose subcutânea causada pelo fungo dimórfico pertencente ao gênero Sporothrix. A infecção ocorre pela inoculação traumática do patógeno na pele ou mucosa, o qual é encontrado no solo, vegetais e materiais orgânicos em geral. Após o contágio, o indivíduo pode desenvolver diferentes formas clínicas, variando de lesões de pele, envolvendo linfáticos, fáscias, músculos, cartilagens e ossos. A doença, atualmente, tem sido relacionada à arranhadura e/ou mordedura de gatos, levando a surtos familiares, além de casos em profissionais que lidam com esses animais. Porém, também é associada à ocupação profissional, afetando pessoas que lidam com a terra, particularmente em área rural.

Objetivos

Salientar a importância do profissional de saúde estar atento às outras formas de contágio, embora a esporotricose esteja fortemente associada a gatos contaminados.

Delineamento e Métodos

Paciente 22 anos, feminino, parda, apresenta-se ao ambulatório de dermatologia com queixa de lesão pustulosa em ombro esquerdo há 4 meses após atividades acadêmicas em aterro sanitário. Relata ter procurado assistência em saúde e recebido diagnóstico inicial de Herpes Zóster, com infecção secundária. Fez uso de CefaclorMonoidratado (500mg) e Cloridrato de Valaclovir (500mg) por 7 dias sem melhora do quadro e evoluindo para lesão ulcerada com secreção purulenta. Esteve em outros dois profissionais, realizou diversos exames laboratoriais com resultados inespecíficos e fez uso de Penicilina Benzatina e Amoxicilina com clavulanato, evoluindo com melhora da secreção purulenta e aumento da lesão ulcerada.

Resultados

No interrogatório sistemático, nega contato com animais, e casos semelhantes em contatos pessoais. Informa queimação no sítio da lesão, dor, prurido, nega febre, e/ou outros sintomas subjetivos. Ao exame dermatológico, apresentava lesão ulcerada com fundo granuloso e eritematoso sem exsudato purulento e presença de pápulas satélites, com aproximadamente 6 x 5 cm (maiores eixos) em ombro esquerdo. A Histopatologia foi inespecífica. O exame micológico evidenciou Sporothrix spp., confirmando a hipótese diagnóstica de Esporotricose Cutânea. Foi iniciado o tratamento com Intraconazol 100 mg, por 3 meses, evoluindo com regressão da lesão ulcerada.

Conclusões/Considerações finais

É notória a importância dos profissionais de saúde estarem atentos às outras formas de transmissão de esporotricose, valorizando, no interrogatório sistêmico, a pesquisa de contato com solo, vegetais e materiais orgânicos, além do contato com gatos.

Palavras-chave

Sporothrix spp.; diagnóstico precoce; micobacterioses.

Área

Dermatologia

Instituições

Universidade Federal da Paraíba - Paraíba - Brasil

Autores

BRUNNA PATRICIO SANTOS, RAQUEL HELLEN DE SOUZA MUNIZ, MABELY MEDEIROS PASSOS TEIXEIRA, LETÍCIA VIEIRA DA ROCHA VILARINHO, FELIPE QUEIROGA SARMENTO GUERRA, ESTHER BASTOS PALITOT