Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

VULNERABILIDADE E RECLUSAO SOCIAL: UMA ABORDAGEM SOBRE O IMPACTO NA SAUDE MENTAL DO IDOSO EM TEMPOS DE COVID-19

Fundamentação/Introdução

Em meio à pandemia causada pelo SARS-CoV-2, contata-se implicações psicossociais de longa duração. Em particular, é a população idosa, definida como um segmento de vulnerabilidade, que necessita de atenção para além da sujeição física à infecção viral, uma vez que a reclusão social imposta de forma a restringir o potencial pandêmico do novo coronavírus evidenciou ainda mais a solidão e a segregação da faixa geriátrica.

Objetivos

Avaliar os impactos do isolamento e distanciamento social praticados com o intuito de conter a disseminação do SARS-CoV-2 sobre a saúde mental do idoso.

Delineamento e Métodos

Revisão bibliográfica realizada na base de dados PUBMED, utilizando os descritores “mental health”, “COVID-19” e “aged”. Foram encontrados 307 resultados publicados em 2020 e selecionados 14 artigos relevantes sobre o tema.

Resultados

Pesquisas mostraram que a desconexão social faz com que os idosos tenham maior risco de desenvolver ansiedade e depressão. Isso porque a incerteza e o medo provocados pela pandemia, associados à falta de familiaridade com as tecnologias para manter o contato com familiares e amigos, contribuem para o estresse emocional desse grupo social. Um estudo realizado pela Fundação Instituto Oswaldo Cruz, no período da pandemia, mostrou que 27,5% dos idosos sentem-se ou muito tristes ou deprimidos, enquanto 31,7% relataram nervosismo ou ansiedade sempre ou quase sempre. Ademais, ocorre ainda o aumento de ideações suicidas, consequentes de estresse, no contexto do risco de suicídio já existente em idosos. Por outro lado, o estigma de ter a doença faz com que o idoso se sinta deficiente e desvalorizado, reduzindo a sua autoestima e impedindo que ele peça ajuda a outras pessoas. Tal fato contribui para a subnotificação de sintomas psiquiátricos nessa faixa etária, sendo uma preocupação adicional.

Conclusões/Considerações finais

Os impactos da pandemia afetam negativamente a saúde mental do idoso, o que implica no aumento da incidência de transtornos depressivos, visto que a solidão é um potente fator de risco para a depressão. Diante disso, são necessários mais estudos para avaliar o estado de vulnerabilidade social da população idosa no atual cenário de distanciamento entre as pessoas.

Palavras-chave

COVID-19; Saúde mental; Idoso; Vulnerabilidade Social; Solidão.

Área

Geriatria

Instituições

UFPB - Paraíba - Brasil

Autores

JULIA ALBUQUERQUE DE LUNA, Glaucielle Ramalho Uchoa, Isabel Rodrigues de Souza Deocleciano, Isabela Asevedo Rodrigues, João Victor Carlos Dantas, Ysabor Emanuele Santos Pereira de Lima