Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

TUBERCULOSE OCULAR: UM RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

A uveíte possui etiologia frequentemente idiopática, porém pode ser associada a processos traumáticos, inflamatórios e infecciosos. Os pacientes podem apresentar sintomas sistêmicos concomitantes ou doenças infecciosas para sugerir uma etiologia que afeta mais do que apenas o olho. A tuberculose (TB) é uma doença infecciosa causada pelo Mycobacterium tuberculosis que pode afetar vários órgãos, incluindo os olhos. Comumente, a TB ocular desenvolve-se como resultado da disseminação hematogênica do patógeno a partir de locais pulmonares ou extrapulmonares.

Objetivos

Relatar o caso de paciente portadora de uveíte anterior e posterior secundária à tuberculose.

Delineamento e Métodos

LGS, 43 anos, feminina, internada na enfermaria de Clínica Médica de um hospital terciário de Pernambuco, por quadro de dor de caráter latejante, associada a prurido, hiperemia e fotofobia em olho direito (OD) há 15 dias, que evoluiu com baixa acuidade visual e escotomas. Havia história de episódio semelhante há 6 meses em olho esquerdo (OE), que cedeu com uso de colírios. Iniciou uso de corticoide tópico. A fundoscopia revelou uveíte ântero-posterior, com características compatíveis com neurorretinite luética. Na admissão, paciente sem alterações cardiovasculares, respiratórias, gastrointestinais e sem linfonodos palpáveis. No exame oftalmológico observaram-se alterações em OD como presença de celularidade vítrea, embainhamento vascular na arcada temporal inferior, mácula seca, retina aplicada, e no OE lesão de aspecto cicatricial em feixe papilomacular. Foi iniciado tratamento empírico com Ceftriaxona por 10 dias e doxiciclina por 28 dias.

Resultados

Realizada investigação etiológica devido ao acometimento ocular, apresentando VDRL, sorologias para toxoplasmose, HIV e hepatites virais, não reagentes. Sorologia para bartonelose apresentou IgM não reagente e IgG reagente 1:320. A tomografia de tórax evidenciou pequeno nódulo semi-sólido, em vidro-fosco, de 0,5 cm em segmento apical e basal do lobo superior (LS) direito e outro de 0,4 cm em LS esquerdo. Mantido o corticoide tópico. Após resultado de prova tuberculínica (PPD) 15 mm, foi diagnosticada como uveíte secundária à TB ocular. Iniciou Rifampicina, Isoniazida, Pirazinamida e Etambutol.

Conclusões/Considerações finais

Destaca-se o envolvimento ocular da TB, que pode se apresentar como diferentes formas de uveíte, e a importância do diagnóstico precoce, para início do tratamento, impedindo a progressão da doença e possíveis sequelas visuais.

Palavras-chave

Tuberculose; Tuberculose ocular; Uveíte

Área

Infectologia

Instituições

Hospital Getúlio Vargas - Pernambuco - Brasil

Autores

VIRGINIA MONTEIRO MACIEL LYRA, ISABELA CÁCERES CALAÇA GOMES, BIANCA ALICE SOUZA, JENIFFER MIRELLI DOS SANTOS LOPES