Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

TROMBOSE DE VEIA PORTA ASSOCIADA A ISQUEMIA MESENTERICA: RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

A trombose de veia porta (TVP) é uma patologia de elevada morbimortalidade, relacionada a cirrose hepática e trombofilias, podendo ser total ou parcial. Em alguns casos pode haver progressão do trombo para as veias mesentérica ou esplênica e presença de isquemia mesentérica (IM). O quadro clínico da trombose aguda de veia porta (TAVP) pode variar desde o paciente assintomático até insuficiência hepática fulminante, sendo o sintoma mais comum a dor abdominal difusa. Dá-se importância a esta patologia tendo em vista que caso não seja adequadamente tratada pode levar o paciente ao óbito.

Objetivos

Relatar o caso de um paciente com TAVP complicada com IM.

Delineamento e Métodos

Mulher, 66 anos, chega ao pronto socorro com dor abdominal mais intensa em hipocôndrio direito há 3 dias, associada à náusea e vômitos. Relatou episódios diarréicos e história de litíase biliar crônica. Exame físico inocente, apresentando apenas sinal de Murphy positivo. Realizou tomografia computadorizada (TC) com contraste que evidenciou vesícula em porcelana e TVP que se estendia à veia mesentérica superior. Optou-se por tratamento clínico com anticoagulação sistêmica (AS) com heparina não fracionada (HNF). A paciente evoluiu com IM e foi submetida a laparotomia e enterectomia de urgência, sendo mantida a AS no pós-operatório com boa evolução clínica.

Resultados

As causas de TAVP são eventos protrombóticos herdados ou adquiridos, porém a paciente pertence a 25% dos casos ditos idiomáticos.
Por ser uma doença de alta morbimortalidade, sua evolução para complicações, como IM aumenta para mortalidade maior que 75% dos casos. Dessa forma, o diagnóstico precoce é imprescindível, podendo utilizar a TC na urgência já que sua acurácia é maior que 90% na identificação de trombos mesentéricos e, diferente da ultrassonografia com doppler, ainda é possível determinar a extensão do trombo no sistema portal. O manejo com AS foi utilizado já que estudos comprovam a mesma sobrevida em relação ao cirúrgico (caso não haja sinais de IM), além de outras vantagens como menor tempo de hospitalização e menor risco de infecção. Estudos retrospectivos indicam que o manejo inicial deve ser clínico pois aumenta a chance de recanalização espontânea parcial para até 93% dos casos.

Conclusões/Considerações finais

Dessa forma, as evidências concluem que o tratamento para os casos sem IM deve ser conservador, tendo em vista menores taxas de morbidades, menor tempo de internamento e maior sucesso de recanalização, podendo ainda associar trombolectomias ou outros tratamentos endovasculares.

Palavras-chave

Isquemia Mesentérica; Trombose Venosa; Veia Porta.

Área

Clínica Médica Geral

Instituições

Universidade Federal de Pernambuco - Pernambuco - Brasil, Universidade Potiguar - Rio Grande do Norte - Brasil

Autores

JOSE AMERICO DOS SANTOS COSTA NETO, Rosane Nayara de Medeiros Alves Fernandes, Renan Cortes Alves Soares, Laura Cristina Costa Silva, Wendell Ricardo de Medeiros Alves Fernandes