Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

REMISSÃO COMPLETA DE UM DIVERTÍCULO DUODENAL PERFURADO APÓS TERAPIA CLÍNICA

Fundamentação/Introdução

O divertículo duodenal perfurado (DDF) é uma afecção rara, com diagnóstico complexo, podendo ser potencialmente grave, indicando uma terapêutica cirúrgica de urgência. O divertículo duodenal é o segundo sítio mais frequente no tubo digestório, após o divertículo de cólon. Em 90% dos casos são assintomáticos, tornando-os sintomáticos com o aparecimento de complicações, como hemorragias e perfurações. Entretanto, estudos atuais tem estabelecido o manejo clínico conservador como opção terapêutica de sucesso para alguns pacientes com estabilidade hemodinâmica e ausência de sepse. Essa terapêutica esta indicada para pacientes idosos e com múltiplas comorbidades.

Objetivos

Relatar um caso de DDP com terapêutica clínica, sem realização cirúrgica.

Delineamento e Métodos

E.N.S, 77 anos, feminino, foi admitida na urgência com plenitude gástrica e distensão abdominal, horas depois a paciente apresentou vômitos pós-prandiais com característica biliar associado a dor abdominal intensa em região hipogástrica, de inicio súbito, de caráter em cólica. Foi solicitado uma TC do abdômen total, sendo concluso uma perfuração na terceira porção duodenal com moderado reteropneumoperitônio e hérnia em parede abdominal anterior em linha média da região hipogástrica. Alérgica a diversos medicamentos, em especial, a AINES. Apresenta histórico de apendicectomia e histerectomia, além de história familiar de câncer de cólon.

Resultados

Após o diagnóstico de DDP, foi instituído uma conduta conservadora com Nutrição Parenteral Total (NPT) por 23 dias, dieta zero, antibioticoterapia de largo espectro e hidratação venosa. Ainda assim, 29 dias após a conduta clínica foi realizado uma nova TC de abdômen, revelando a presença de pequeno divertículo entre a 2° e 3° porção do duodeno, mas sem sinais de perfuração, apenas com um trajeto fistuloso ou coleções líquidas.

Conclusões/Considerações finais

A terapia clínica foi adotada em virtude da idade, presença de estabilidade hemodinâmica e ausência de sinais de sepse. Essa conduta consiste na associação de diversas medidas: repouso intestinal, tratamento antibiótico de largo espectro, NPT, hidratação venosa e caso necessário realiza a drenagem aspirativa com sonda nasogástrica. Caso não haja remissão no quadro, deve ser indicada a terapia cirúrgica. Entretanto, respostas favoráveis a essas medidas, promoveram uma integra recuperação do estado nutricional e ausência de posteriores complicações.

Palavras-chave

Divertículo Duodenal Perfurado
Terapia Conservadora
Nutrição Parenteral Total

Área

Gastroenterologia

Instituições

Universidade Potiguar (UNP) - Rio Grande do Norte - Brasil

Autores

GLAUBER DO VALLE DE MORAIS FEITOSA, Lillian Karoline de Oliveira Rocha, Ana Carolina Adriano Borges Dério, Jailson Regis Nogueira Filho, Wenddy de Lima Cavalcanti Lacerda, Jassyca Rodrigues Luz