Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

DESENCADEAMENTO DE LUPUS ERITEMATOSO CUTANEO POS-COVID-19: UM RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença auto-imune, inflamatória crônica, multissistêmica e de etiologia desconhecida. Em 85% dos casos, acomete a pele e, em mais da metade deles, é nesse órgão que ocorre a sua primeira expressão clínica. Em meio à pandemia de Sars-CoV-2, a compreensão adicional de suas complicações indica uma resposta imunológica desregulada como componente principal, desregulação essa também encontrada no LES.

Objetivos

Apresentar um caso de LES desenvolvido após infecção pelo Sars-CoV-2.

Delineamento e Métodos

Descrição do caso apresentada em resultados.

Resultados

Paciente do sexo feminino, 57 anos, apresentando há 45 dias poliartrite simétrica em articulações das mãos, cotovelos e joelhos, somada a xeroftalmia e xerostomia. Na primeira consulta, estava taquipneica (32 irpm) e apresentou radiografia de tórax com infiltrado pulmonar de provável origem viral. Nos exames laboratoriais constavam T4 total de 20 mg/dL, proteína C reativa de 6 mg/L, velocidade de hemossedimentação de 42 mm/h e fator antinúcleo (FAN) positivo 1/640 padrão pontilhado fino. Foram prescritos injeção de Dipropionato de betametasona e Fosfato dissódico de betametasona intramuscular, Prednisona 5 mg 3 vezes ao dia e novos exames. No retorno, foram observados eletroforese de proteínas séricas com gama-globulina de 2,89 g/dL e FAN positivo 1/640 padrão pontilhado grosso, além de anticorpos anti-Sm, anti-snRNP, anti-SSa/Ro e anti-SSb/La positivos, diagnosticando LES com acometimento cutâneo/articular e tireoideano. Foram prescritos Prednisona 5 mg 3 vezes ao dia durante mais 20 dias e Hidroxicloroquina 400 mg 1 vez ao dia, além de novos exames. 40 dias após o retorno, paciente refere dor e inchaço em punhos direito e esquerdo, bem como vasculite em membros inferiores, cujas erupções já haviam se curado. Com relação aos exames, T3, T4 e TSH estavam normais, anti-TPO 55 UI/ml e a sorologia para Imunoglobulina G de Sars-CoV-2 foi positiva, favorecendo a hipótese de que o LES poderia ter sido desencadeado pela infecção viral. Foi prescrita novamente a injeção intramuscular, além da continuação das duas medicações já em uso, com solicitação de novos exames para retorno em 3 meses.

Conclusões/Considerações finais

Esse relato se soma a outros que começam a ser publicados na literatura, evidenciando uma possível relação entre doenças autoimunes e a infecção por SARS-CoV-2, devendo mais estudos e pesquisas serem conduzidas a fim de esclarecer quaisquer possíveis associações entre as doenças.

Palavras-chave

Doenças Autoimunes; Infecções por Coronavírus; Lúpus Eritematoso Sistêmico.

Área

Reumatologia

Instituições

UFPB - Paraíba - Brasil

Autores

GABRIELA DE ALCANTARA FONSECA, Patrícia Oliveira Lima Macedo, Louyse Jerônimo Morais, Vítor Medeiros Delgado, Eutília Andrade Medeiros Freire