Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ESTUDO COMPARATIVO COM LEVANTAMENTO DO PERFIL EPIDEMIOLOGICO SOBRE SIFILIS CONGENITA NOS MUNICIPIOS DE JOAO PESSOA (PARAIBA) E MAUA (SAO PAULO).

Fundamentação/Introdução

Fundamentação/Introdução: Sífilis é uma infecção sexualmente transmissível causada pela bactéria Treponema pallidum. Isto posto, o presente trabalho tem o objetivo de comparar as cidades de João Pessoa e Mauá, em relação à sífilis congênita.

Objetivos

Objetivos: Comparar a incidência e descrever o perfil epidemiológico dos casos notificados de sífilis congênita entre o período 2015-2018 em João Pessoa e Mauá.

Delineamento e Métodos

Delineamento e Métodos: Estudo descritivo e quantitativo de análise retrospectiva do Boletim Epidemiológico de Sífilis de 2019 e do Sistema de Agravos de Notificações (SINAN) sobre Sífilis Congênita referentes ao Brasil, estados, regiões e as cidades de João Pessoa e Mauá.

Resultados

Resultados: No Brasil, em 2018, foram 26.219 casos; destes 3867 em São Paulo e 383 na Paraíba. Ademais, a taxa de incidência foi de 9/1.000 nascidos vivos e a mortalidade de 8.2/100.000 nascidos vivos (BRASIL,2018). Além disso, as regiões Sudeste e Nordeste correspondem juntas a 72.5% das notificações nacionais, ambas com uma taxa de incidência acima da média nacional: 9,7 casos/1.000 nascidos vivos e 9,6 casos/1.000 nascidos vivos respectivamente. Entre 2015-2018, há elementos comparáveis, a exemplo do perfil socioeconômico dos pacientes, observou-se que em Mauá 78,4% se encontravam na faixa de idade de 20-39 anos; em João Pessoa, 70,4% na mesma faixa etária. Em Mauá, 19.6% possuíam ensino médio ou superior completo; em João Pessoa a porcentagem é de 16,1%. Sobre a etnia, em Mauá, se autodeclararam brancas 33,5%; pretas ou pardas 37,3%; em João Pessoa, autodeclaradas brancas foram 7,7%; pretas ou pardas 87,8%. Sobre o pré-natal, em Mauá 86% afirmaram terem realizado, enquanto 10,1% não realizaram; em João Pessoa, o percentual foi de 80% para a realização desses e 18,4% não realizaram. Sobre o tratamento, em Mauá foi adequadamente realizado em 6.3% dos casos; em João Pessoa, a porcentagem é de 0,4%.

Conclusões/Considerações finais

Conclusões/Considerações finais: Ambas cidades apresentam alta incidência de sífilis congênita, em especial, público jovem. Observa-se na análise que a incidência afeta principalmente indivíduos de baixa escolaridade, e possui pouca relação com a etnia em Mauá, mas em João Pessoa há predominância em negros. Os municípios observados possuem boa adesão ao pré-natal, todavia, porcentagem de tratamento baixa. Diante dos agravos causados pela sífilis, torna-se fundamental o diagnóstico precoce e a conscientização sobre os benefícios do tratamento para que haja adesão das gestantes e parceiros.

Palavras-chave

Sífilis Congênita; Gestantes; Epidemiologia.

Área

Infectologia

Instituições

Universidade Federal da Paraíba - Paraíba - Brasil, Universidade Nove de Julho - São Paulo - Brasil

Autores

BRENDA FERNANDES, Heldery Soares de Alustau, Mateus de Jesus Souza, Beatriz Trevisan Magri