Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PERFIL EPIDEMIOLOGICO DA DOENÇA DE CHAGAS AGUDA NO TERRITORIO BRASILEIRO ENTRE 2017 E 2019

Fundamentação/Introdução

Introdução: A Doença de Chagas (DC) é uma parasitose causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi e tem como principal vetor o inseto Triatoma infestans. Possui alta prevalência na América Latina, com fase de evolução dividida em aguda e crônica. A fase aguda desta doença é de notificação compulsória e imediata no Brasil.

Objetivos

Objetivos: Diante dessa realidade, objetivou-se realizar um levantamento do perfil epidemiológico referente aos casos notificados de DC aguda no território brasileiro no período de 2017 a 2019.

Delineamento e Métodos

Delineamento e Métodos: Trata-se de um estudo transversal, retrospectivo e de caráter documental, o qual utilizou o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) como base de dados. As variáveis analisadas foram: ano, região de notificação, sexo, faixa etária, modo de infecção, evolução e critério de confirmação.

Resultados

Resultados: Obteve-se uma média anual de 361 novos casos de DC aguda em todo o Brasil, sem grandes variações entre os anos. Ao todo, foram registrados 1104 casos de DC entre 2017 e 2019, sendo 93,5% ocorridos na região Norte. Não houve grande discrepância entre os sexos, no entanto, a doença se mostrou ligeiramente mais prevalente em homens (52,6%). A faixa etária mais acometida correspondeu à idade adulta (20-59 anos), representando 57,8% dos casos. O modo de infecção de maior incidência foi por via oral (91,7%), seguido da transmissão vetorial (7,5%), vertical (0,4%) e acidental (0,4%). Dentre os indivíduos acometidos, 1,4% foram a óbito devido ao agravo da doença. O diagnóstico foi dado através de exames laboratoriais (97%) ou mediante critério clínico-epidemiológico (3%).

Conclusões/Considerações finais

Conclusões: Os resultados obtidos apontaram indivíduos adultos residentes na região Norte como perfil epidemiológico da doença. A infecção por via oral apresentou notória expressividade, o que reforça medidas de vigilância sanitária no processo produtivo de alimentos sujeitos à contaminação. Exames laboratoriais representaram o principal critério usado na confirmação da enfermidade.

Palavras-chave

Doença de Chagas; Doenças Endêmicas; Epidemiologia; Trypanosoma cruzi.

Área

Infectologia

Instituições

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - Paraíba - Brasil

Autores

ALUISIO JOSE DE OLIVEIRA MONTEIRO NETO, BEATRIZ MESQUITA GUERRA CAVALCANTE DE OLIVEIRA, BIANCA EMANUELLE ALBUQUERQUE DE ALMEIDA, JOÃO LUCAS PORDEUS DE MENEZES, KLAUS HELMER KUNSCH, LOUYSE JERONIMO DE MORAIS