Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

TUBERCULOSE MAMARIA RECORRENTE: RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

A tuberculose mamária é uma forma extrapulmonar da doença, incomum mesmo em áreas endémicas, com afecção geralmente em jovens lactantes. Dentre todos os casos de tuberculose, as extrapulmonares correspondem a cerca de 15-20%. Em 0,1% das situações de lesão de mama, a causa é tuberculose (TB), representando 3-4,5% das cirurgias mastológicas em países em desenvolvimento. Os sintomas frequentes são nódulos mamários, que podem evoluir à cavitação e, posteriormente, abcesso. Por ser uma massa sólida, mal definida, usualmente a mastite por TB é confundida com tumor primário maligno, sendo diferenciada por sintomas constitucionais (febre e dor) e exames clínicos e de imagem.

Objetivos

Relatar um precedente incomum de caso reincidente de mastite por tuberculose extrapulmonar.

Delineamento e Métodos

Paciente feminina de 50 anos chega ao serviço com queixa de mastalgia esquerda há um mês, associada a descarga papilar espontânea amarelada. Dois anos antes, teve mastite direita por tuberculose, para a qual fez procedimento cirúrgico para retirada, além de tratamento por um ano com esquema de estreptomicina, etambutol e levofloxacina, recebendo alta e estando curada ao fim. Durante o exame físico, encontrou-se nódulo endurecido retroareolar em mama esquerda, com presença de hiperemia e dor à palpação; em mama direita havia cisto palpável.

Resultados

O diagnóstico foi de mastite à esquerda, por pesquisa de Bacilos Álcool-Ácido Resistentes (BAAR) para tuberculose, com resultado positivo, e Teste Tuberculínico (PPD) reator, confirmado por biópsia, que analisou múltiplos fragmentos teciduais irregulares, branco amarelados e elásticos, concluindo se tratar de uma mastite crônica xantogranulomatosa. A paciente progrediu com o tratamento de esquema básico de rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol por 2 meses e rifampicina e isoniazida nos 4 meses subsequentes (2RHZE/4RH). Recebe alta e considerada curada após o tratamento.

Conclusões/Considerações finais

A mastite por TB primária geralmente é diagnosticada de forma errônea devido às suas características similares a outras doenças mamárias. Este caso é relevante no sentido de esclarecer os critérios diagnósticos e distinções clínicas com outras doenças, além de explorar um caso bilateral e recorrente do quadro, condição rara, dado que o risco de desenvolver mastite por TB contralateral é de 0,5% por ano após o diagnóstico inicial.

Palavras-chave

Tuberculose; Mastite; Mastite Granulomatosa.

Área

Infectologia

Instituições

Universidade Federal da Paraíba - Paraíba - Brasil

Autores

RICARDO ANDRE MEDEIROS NEGREIROS, Maria Fernanda Batista de Britto Lyra, Adriana de Freitas Torres, Marcelo Dantas Tavares Melo, Jesimiel de Lima Pessoa, Gerlania Simplicio de Sousa