Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

EVOLUÇAO NAO USUAL DA DOENÇA DE GRAVES: RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

Introdução/Fundamentos: A doença de Graves é a principal causa de hipertireoidismo, mais comum em mulheres e cerca de 10-20% dos pacientes apresentam remissão espontânea e 50% tornam-se hipotireoideos após 20 a 30 anos de doença, na ausência de qualquer tratamento.

Objetivos

Objetivos: Relatar caso clínico de evolução não usual da Doença de Graves.

Delineamento e Métodos

Relato de caso.

Resultados

Descrição do caso: Paciente T.M.S.R., feminino, 31 anos procurou opinião de endocrinologista em outubro de 2018 devido ao relato de disfunção tireoideana em novembro de 2017 (TSH: 0.01 mUI/mL) associado a sintomas de perda de peso (10kg) e palpitação. Estava em uso de metimazol 20 mg/dia, tendo utilizado dose mais alta no início do quadro prescrita por outro médico endocrinologista. Trazia exames que mostravam um outro TSH suprimido em fevereiro de 2018 mesmo a despeito do uso de metimazol. Entretanto, em junho de 2018 havia evoluído para hipotireoidismo (TSH: 225 mUI/mL) e trazia exames de outubro de 2018: TSH: 51.32 mUI/mL e T4 total: 4.0 ng/dL. Foi suspenso o metimazol e após 1 mês apresentava; TSH: 0.97 mUI/mL, T4l: 0.77 ng/dL, tireoglobulina 196.49 (2-60) ng/mL, anticorpo antiperoxidase (anti-TPO): 0.8 UI/mL, anticorpo antirreceptor do TSH (TRAB) 0.1 UI/L e USG de tireoide com bócio e textura heterogênea. Paciente permaneceu eutireoidea e sem metimazol até outubro de 2019, no qual apresentou um TSH de 0.11 mUI/mL com sintomas (palpitação e desconforto em região de tireoide). Foi solicitado novos exames no qual demonstraram: TSH: 0.01 mUI/mL, T4l: 3.97 (0.54-1.24) ng/dL, T3l: 13.7 (2-4.4) pg/mL, TRAB: 2.41 UI/L, anti-TPO: 164 UI/mL, tireoglobulina 185ng/mL e captação de iodo radioativo de 57.5%. Iniciado metimazol na dose de 30mg/dia e 45 dias após apresentou: TSH 48.35 mUI/mL, T4l: 0.09 ng/dL, T3l: 2.0 pg/mL. Foi suspenso o tapazol e após 10 dias nova função tireoideana demonstrou eutireoidismo (TSH: 1.76 mUI/mL, T4l: 0.52ng/dL). Foi optado por nova reavaliação de função tireoideana a curto prazo para decidir sobre a manutenção de metimazol em dose de 5mg.

Conclusões/Considerações finais

Considerações finais: Paciente apresentou um quadro de hipertireoidismo inicialmente sem positividade para doença autoimune. Evolui com positividade de anticorpos tireoideanos, recidiva do hipertireoidismo e reposta não usual ao uso do metimazol.

Palavras-chave

Palavras-chave: Doença de Graves; Hipertireoidismo; Metimazol.

Área

Endocrinologia

Instituições

Universidade Federal de Campina Grande - Paraíba - Brasil

Autores

VINICIUS ALMEIDA DA NOBREGA, NARRIANE CHAVES PEREIRA DE HOLANDA, BRUNO LEANDRO DE SOUZA, VIVIANNE ALMEIDA DA NÓBREGA, FELÍCIA NÓBREGA CRISPIM RIBEIRO, NARA NÓBREGA CRISPIM CARVALHO