Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

CLÍNICA MÉDICA: ANÁLISE DO AUTOCUIDADO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

Fundamentação/Introdução

Os profissionais da saúde são orientados para perceber as alterações do “corpo e mente” do paciente e a partir de tal sensibilidade criar um plano terapêutico, promovendo o cuidado necessário para o seu bem-estar. Contudo, ao analisar a sensibilidade dos profissionais consigo mesmo, nota-se que em alguns casos, não conseguem aplicar esta percepção em seu próprio bem-estar e a sua saúde, no âmbito da saúde mental, mesmo em profissionais que detém conhecimento amplo de patologias mentais, uma vez que essas patologias trazem consigo muitos preconceitos e rótulos pela subjetividade dos sintomas. Na maioria dos casos, as causas de aparecimento de algum transtorno mental ao longo da vida relacionam-se a saúde mental associada ao trabalho (SMAT) e suas ramificações como a elevada carga horária aliada, baixa remuneração, trabalhar em mais de um estabelecimento e realizar plantões. Além disso, atender pacientes diariamente, lidar com sentimentos como sofrimento, morte e elevada responsabilidade também podem estar relacionado ao abalo da saúde mental, favorecendo o estresse, a ansiedade, a depressão, dentre outros transtornos.

Objetivos

Analisar o autocuidado e a clínica da saúde mental de profissionais da saúde.

Delineamento e Métodos

Estudo transversal, descritivo exploratório com abordagem quantitativa, realizado online com profissionais da área da saúde do Brasil, constituindo uma amostra de 24 profissionais. O levantamento dos dados foi realizado por meio de um questionário sobre o autocuidado com a saúde com ênfase na saúde mental. Os dados foram inseridos em planilhas no Software Excel® Microsoft Office Profissional e as análises foram realizadas mediante estáticas descritivas e relacionando todos os participantes

Resultados

Com base na pesquisa, nota-se um público predominantemente feminino, com idades entre 31 e 43 anos. Ademais, demonstram com unanimidade nas respostas que há preocupação com o cuidado da própria saúde e possuem ativamente cuidados básicos, porém, cerca de 79% dos entrevistados fazem uso de medicação relacionada à transtorno mental, principalmente depressão e/ou ansiedade.

Conclusões/Considerações finais

Diante dos resultados desta pesquisa, indubitavelmente, deve-se intensificar os estudos e projetos estimulando e incentivando os profissionais a realizarem o autocuidado com enfoque principalmente na saúde mental, que atinge tanto quanto ou mais do que a saúde física

Área

Clínica Médica Geral

Instituições

unp - Rio Grande do Norte - Brasil

Autores

PEDRO DIAS BEZERRA NETO, Sosthenes Augusto de Almeida Sá