Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

AMENORREIA SECUNDARIA: RELATO DE UM DIAGNOSTICO DIFERENCIAL

Fundamentação/Introdução

Introdução/Fundamentos: A amenorreia secundária corresponde à interrupção dos ciclos menstruais por pelo menos 3 meses consecutivos, em mulheres em idade fértil. É uma doença multicausal, podendo ser resultante de causas fisiológicas ou não, devendo-se atentar, portanto, para um correto diagnóstico diferencial.

Objetivos

Objetivos: Relatar caso clínico de amenorreia secundária, fazendo-se o diagnóstico diferencial entre suas etiologias.

Delineamento e Métodos

Relato de caso

Resultados

Descrição do caso: Paciente do sexo feminino T.R.C., 29 anos, procurou endocrinologista devido à ausência de menstruação há 6 meses e queixas de queda de cabelo e acne. Não apresentava galactorreia, alterações visuais, hirsutismo ou outros sinais de virilização, nem sintomas de hipoestrogenismo, como secura vaginal. Dieta e exercício regulares; negava tabagismo e etilismo. Fez uso recente de isotretinoína, por 6 meses e negava uso de outros medicamentos. Ao exame, normotensa, Índice de Massa Corporal (IMC)=25.36 kg/m², e edema discreto de membros inferiores. Trazia exames: homônio estimulante da tireoide (TSH)=1.29mUI/ml; hormônio folículo estimulante (FSH)=3.23mUI/ml; prolactina (PRL)=97.5ng/ml; transaminase glutâmico-oxalacética (TGO)=18U/l; transaminase glutâmico-pirúvica (TGP)=18U/l; albumina=4.04g/dL; ureia=38mg/dl; creatinina=0.7mg/dl e ultrassonografia pélvica normal. Diante do quadro, foram solicitados outros exames; B-HCG negativo; sulfato de dehidroepiandrosterona (SDHEA)=168.6µg/dL; globulina ligadora de hormônios sexuais (SHBG)=45.4nmol/l; testosterona total= 34.07ng/dL; testosterona livre calculada=0.5ng/dl; 17-OH-hidroxiprogesterona=18ng/dL, todos com valores normais, com exceção da PRL=80.2 ng/ml. Após a confirmação da hiperprolactinemia, foi solicitada a ressonância nuclear magnética de sela túrcica com contraste, que evidenciou tumor em hipófise localizado no aspecto póstero-lateral direito de 0.6x0.3cm. Diante do exposto, foi estabelecido o diagnóstico de microprolactinoma e prescrita cabergolina 0.5mg, 2 comprimidos por semana.

Conclusões/Considerações finais

Conclusões/Considerações finais: O diagnóstico de amenorreia secundária é feito por meio de exclusão, devendo-se descartar causas fisiológicas (ex. gravidez), farmacológicas, alterações tireoidianas e de função renal. A presença de prolactinoma representa uma das principais causas de amenorreia secundária, devendo-se considerar que o tamanho do adenoma tem correlação positiva com níveis de PRL, no qual no microprolactinoma estão normalmente < 150ng/ml.

Palavras-chave

Palavras-chave: Amenorreia; Hiperprolactinemia; Prolactinoma.

Área

Endocrinologia

Instituições

Universidade Federal de Campina Grande - Paraíba - Brasil

Autores

VINICIUS ALMEIDA DA NOBREGA, VIVIANNE ALMEIDA DA NÓBREGA, FELÍCIA NÓBREGA CRISPIM RIBEIRO, NARA NÓBREGA CRISPIM CARVALHO