Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

MESOTELIOMA PLEURAL SEM ANTECEDENTE DE EXPOSIÇAO A ASBESTO: RELATO DE CASO.

Fundamentação/Introdução

O mesotelioma pleural maligno (MPM) é um câncer agressivo da superfície pleural que está associado à exposição prévia ao asbesto. As fibras de asbesto têm cristais pontudos que adentram a árvore brônquica e se alojam no espaço subpleural, onde produz a carcinogênese. Devido à natureza ocupacional da doença, há uma predominância masculina de 4:1, sendo subdiagnosticada em pacientes sem exposição.

Objetivos

Relatar caso de paciente com mesotelioma pleural maligno sem antecedente de exposição a asbesto.

Delineamento e Métodos

A.F.F.O, sexo feminino, 40 anos, doceira, sem comorbidades prévias conhecidas ou uso de medicações, sem exposição ocupacional ao asbesto, admitida na emergência com relato de dispneia aos esforços há 04 dias, sem outros sintomas respiratórios associados, uma semana antes, relata dor em membro inferior esquerdo, com piora ao movimento, associada a edema no mesmo membro e parestesia

Resultados

Realizado ultrassom doppler de membros inferiores com evidência de trombose venosa profunda em membro inferior esquerdo e tomografia de tórax com contraste que mostrou embolia pulmonar, além de espessamento pleuro-apical bilateral e derrame pleural loculado à direita. Submetida, então, a decorticação pulmonar direita, pleurectomia e toracostomia, sem intercorrências, com resultado de biópsia evidenciando mesotelioma maligno. Encaminhada para oncologia para início de tratamento.

Conclusões/Considerações finais

Alguns estudos de revisão mostraram que a exposição não ocupacional ao asbesto também resulta em um risco elevado de mesotelioma, além de outros fatores associados a sua patogênese. O prognóstico é ruim e a sobrevida mediana varia de 8 a 14 meses a partir do diagnóstico, sendo a broncopneumonia e a embolia pulmonar as principais causas de óbitos nesses paciente. Logo, a suspeita diagnóstica, mesmo diante de um paciente sem exposição ao asbesto, é importante para que o tratamento possa ser instituído precocemente.


Palavras-chave

mesotelioma pleural; asbesto

Área

Pneumologia

Instituições

HOSPITAL AGAMENON MAGALHÃES - Pernambuco - Brasil

Autores

IVANILDE VASCONCELOS CAVALCANTI, RAYANNE MAYARA SILVA DE OLIVEIRA VALGUEIRO DE ANDRADE, LETÍCIA DE ARAÚJO CARVALHO, GUTEMBERG ALVES DA SILVA FILHO, FERNANDO ANTÔNIO GALVÃO GONDIM FILHO