Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

HIPERCALCEMIA SECUNDARIA A TUBERCULOSE ESPLENICA: RELATO DE CASO.

Fundamentação/Introdução

A hipercalcemia é um distúrbio metabólico, em geral, assintomático e benigno. A causa mais comum é hiperparatireoidismo primário (90%). Outras causas de hipercalcemia menos usuais como uso de medicamentos e doenças granulomatosas como tuberculose (TB) e sarcoidose devem ser investigadas se valor sérico do paratormônio (PTH) for normal ou baixo.

Objetivos

Relatar caso de paciente com hipercalcemia grave secundária a tuberculose esplênica.

Delineamento e Métodos

Paciente do sexo masculino, 38 anos, admitido na emergência com quadro de febre diária há 02 meses, associada a disúria, lombalgia e perda de peso (10kg). Ao exame físico apresentava abdome doloroso à palpação em flanco esquerdo e percussão lombar esquerda dolorosa, sem outras alterações. Iniciado antibioticoterapia para pielonefrite, porém houve piora do estado geral, sendo transferido à Unidade de terapia intensiva(UTI) e escalonado antibiótico. Solicitada tomografia(TC) de abdome que evidenciou baço de dimensões aumentadas (18,0cm), com captação difusamente heterogênea e presença de pequenas imagens nodulares hipovasculares. Foi associada vancomicina pela possibilidade de abscessos esplênicos e solicitado ecocardiograma que afastou endocardite.

Resultados


Ainda, foi evidenciado hipercalcemia grave (Calcio >14mg/Dl). Outros exames revelaram: PTH e vitamina D normais, Eletroforese e imunofixação de proteínas e tomografia de tórax que não evidenciaram alterações sugestivas de infecção, neoplasia/mieloma.
Como paciente permanecia febril, foi repetida TC de abdome com resultado semelhante ao anterior. Realizada esplenectomia. Histopatológico mostrava granulomas compatível com tuberculose esplênica, sendo iniciado tuberculostáticos. Paciente evoluiu com choque hipovolêmico devido a hemorragia digestiva e foi a óbito.

Conclusões/Considerações finais

A prevalência de hipercalcemia em pacientes portadores de TB é estimada em 2,3%, secundária a excesso de 1,25 vitamina D sintetizada nos macrófagos do granuloma. A tuberculose esplênica está frequentemente associada à forma disseminada da tuberculose miliar, sendo a TB esplênica isolada um achado raro. O diagnóstico é difícil e muitas vezes tardio devido a manifestações clínicas imprecisas.
Logo, diante de um quadro sugestivo de TB com esplenomegalia e hipercalcemia, é importante atentar para o diagnóstico diferencial de TB esplênica isolada para que o tratamento possa ser instituído o mais precoce possível.

Palavras-chave

Tuberculose esplênica ; Hipercalcemia.

Área

Infectologia

Instituições

HOSPITAL AGAMENON MAGALHÃES - Pernambuco - Brasil

Autores

IVANILDE VASCONCELOS CAVALCANTI, RAYANNE MAYARA SILVA DE OLIVEIRA VALGUEIRO DE ANDRADE, LETÍCIA DE ARAÚJO CARVALHO, GUTEMBERG ALVES DA SILVA FILHO, MARCELO PEREIRA DA SILVA