Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

MENINGITE EOSINOFILICA SECUNDARIA A NEUROESQUISTOSSOMOSE: RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

A meningite eosinofílica é uma reação inflamatória das meninges causada na maioria das vezes por parasitas, como ascaridíase, hidatidose, cisticercose e esquistossomose. Em países tropicais, reações eosinofílicas sanguíneas são frequentes, sendo possível o acometimento de outros tecidos, como o sistema nervoso central, onde essas reações são exteriorizadas no líquido cefalorraquidiano (LCR). Nesse caso, considera-se a presença de mais de 10 eosinófilos/mm³ e/ou eosinófilos representando mais de 10% de leucócitos no exame do LCR. A maioria desses casos é secundária à neurocisticercose, e menos comumente estão relacionados à neuroesquistossomose (NE) - forma ectópica da esquistossomose potencialmente grave e incapacitante. Acredita-se que ocorra subestimação dessa forma nas áreas endêmicas, atrasando seu diagnóstico e tratamento.

Objetivos

Descrever paciente com diagnóstico confirmado de meningite eosinofílica secundária à NE.

Delineamento e Métodos

G.N.M., homem, 42 anos, encaminhou-se ao hospital devido cefaleia holocraniana há 1 mês, acompanhada há 10 dias de turvação visual, ataxia de marcha e paraparesia. Evoluiu ainda com piora clínica com agitação psicomotora, estrabismo convergente e leve rigidez de nuca. Realizada Ressonância Magnética (RM) de Crânio com achados de hipertensão intracraniana, e RM de coluna lombo-sacra, sem alterações.

Resultados

A análise do LCR revelou: pressão de abertura aumentada, aspecto turvo, aumento dos níveis de proteína, 517 leucócitos assim distribuídos: neutrófilos 1%, linfócitos 35%, monócitos 05% e eosinófilos 59%; e pesquisa positiva para esquistossomose por imunofluorescência (titulação 1:16). O coproparasitológico foi positivo para esquistossomose: Kato-Katz com presença de 24 ovos/grama. Confirmado o diagnóstico, foi tratado com praziquantel e dexametasona, apresentando melhora clínica progressiva, realizando-se o desmame do corticoide ambulatorialmente, mas mantendo ainda turvação visual. Nova coleta de LCR evidenciou resolução do quadro de meningite eosinofílica.

Conclusões/Considerações finais

O diagnóstico presuntivo depende das manifestações clínicas, epidemiologia, exames de imagem, LCR e coproparasitológico, e é confirmado pela evidência direta do parasita por biópsia tecidual e/ou detecção do título positivo ao anticorpo ou PCR no LCR. Apesar do tratamento resultar geralmente em recuperação dos sintomas, o sucesso do mesmo está ligado à precocidade do diagnóstico, evitando danos irreversíveis.

Palavras-chave

Neuroesquistossomose; Meningite; Neurologia.

Área

Neurologia

Instituições

Angioneuro – Centro de Radiologia Terapêutica e Intervencionista - Alagoas - Brasil, Centro Universitário Tiradentes (UNIT/AL) - Alagoas - Brasil, Hospital Geral do Estado de Alagoas Professor Osvaldo Brandão Vilela (HGE-AL) - Alagoas - Brasil

Autores

JULIA CABRAL BARRETO, Isis Carvalho Miranda, Luiza Maria Rabelo de Santana, Maria Eduarda Fragoso Calado Barbosa, Rodrigo Cerqueira Bomfim, Patrícia Pereira Nunes