Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

CISTO HIDATICO GIGANTE ABSCEDADO: RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

Introdução: A hidatidose (Hi) é uma parasitose rara causada pela ingestão de ovos de larvas do gênero Echinococcus spp., endêmica em áreas de ovinocultura das regiões Sul, Centro-oeste e Norte do país. Formam-se cistos hidáticos no fígado (70%), assintomáticos ou não, que podem comprimir estruturas, romper e/ou infectar. Em geral cistos maiores de 6 cm são raros.

Objetivos

Relatar caso de cisto hidático gigante abscedado.

Delineamento e Métodos

TLS, 71 anos, dá entrada em pronto-atendimento com dor abdominal e diarreia há 10 dias, sem febre e sangramento. É hipertensa, possui hipotireoidismo e artrite reumatóide. Morou em zona rural durante a infância e parte da vida adulta. Relato de dispnéia progressiva no último ano, aumento do volume abdominal, desde o hipocôndrio até a crista ilíaca direitos, de proporções tais que limitava gravemente sua capacidade funcional, impedindo-a de deambular e deixando-a totalmente restrita ao leito. Teste da macicez móvel e piparote negativos.

Resultados

Exames laboratoriais apontam anemia e leucocitose às custas de polimorfonucleares com desvio à esquerda. Tomografia computadorizada abdominal concluiu parco derrame pleural loculado à direita, ascite moderada, cisto de 30,0 X 23,0 X 18,0 cm, de proporções nunca antes relatadas, de contornos regulares à direita, sem realce ao contraste, comprimindo estruturas os parênquimas pulmonar e hepático, este reduzido e lobulado por cistos simples esparsos de até 4,0 cm. Hi foi a hipótese de aventada. Iniciou-se albendazol 10 mg/kg/dia por 30 dias, a fim de esterilizar o conteúdo do cisto, as escólices, e portanto evitar reação anafilática no momento do detalhamento. Em uma semana paciente retorna com piora da dispnéia, tosse produtiva e febre não aferida. Hipóteses: complicação pulmonar e/ou infecção cística. Foi submetida com urgência ao destelhamento e drenagem cística, 5 litros (l) de líquido citrino e 2 l de secreção purulenta. Cultura apontou crescimento de Escherichia coli e exame histopatológico processo agudo abscedado e reação granulomatosa e gigantocelular, achados da Hi. Exame parasitológico inconclusivo. No quinto dia de pós-operatório evolui com bradicardia, hipotensão apesar do uso de noradrenalina, parada cardiorrespiratória e óbito.

Conclusões/Considerações finais

A Hi é uma doença rara negligenciada, mas não inócua, podendo complicar e levar a óbito. Retifica-se a importância de conhecer a Hi, a fim de acelerar seu diagnóstico, tratamento e incentivar sua prevenção.

Palavras-chave

Hidatidose, Equinococose; Doenças negligenciadas; Dispnéia; Relato de Caso.

Área

Gastroenterologia

Instituições

Universidade Federal da Paraíba - Paraíba - Brasil

Autores

MAGNO DURAN SILVA DE ANDRADE, João Marçal Medeiros De Sousa, Clayton Leite De Moura, Pablo Benely Silva De Andrade