Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

RELAÇAO DOS FATORES DE RISCO E O DESENVOLVIMENTO DE TROMBOSE VENOSE PROFUNDA – RELATO DE CASO.

Fundamentação/Introdução

Introdução: A trombose venosa profunda (TVP) é um processo patológico onde a luz do vaso sanguíneo é obstruída por uma quantidade excessiva de estruturas compostas por fibrinas e plaquetas. Alguns fatores estão correlacionados com o aumento de casos de TVP, tais como: os contraceptivos hormonais (CH), sendo o método mais utilizado pelas mulheres brasileiras para adiar o planejamento familiar, casos de predisposição genética (trombolíticas) e viagens aéreas (VAs) com longa duração podem aumentar em até 40 vezes as chances de desenvolver TVP.

Objetivos

Objetivos: Relatar um caso de TVP em VAs de longa duração, com paciente trombolítica em uso de CH.

Delineamento e Métodos

Relato de caso: JXRD, feminina, 37 anos, com história médica familiar negativa para eventos tromboembólicos, e em uso de anticoncepcional combinado oral, há 6 meses. Realizou VAs com destino a São Paulo, com duração de 3 horas e 30 minutos, relatando fadiga e dor muscular em Membro Inferior esquerdo (MMII e.), ao desembarcar, indo descansar no hotel. No outro dia, ao amanhecer, sentiu dificuldade ao deambular, porém prosseguiu com seu roteiro de viagem, evoluindo com fortes dores, rubor, calor local, edema e rigidez em musculatura em MMII e, em virtude disso foi levado à emergência do hospital mais próximo, de imediato a médica plantonista, por desconfiar de TVP, aplicou heparina de baixo peso molecular (HBPM). Realizando internação, com uso de meia de compressão, elevação de MMII, e suspenção de CH.

Resultados

Sendo assim, realizou exames de imagem: Eco-doppler em MMII, com achados sugestivos de TVP em vasos fibular e tibia, nos exames complementares: hemoglobina:14,4g/dL; plaquetas:258000/L; leucócitos:9200/L; creatinina:0,8mg/dL; glicose:75mg/dL; proteína C reativa:2,9mg/dL; tempo de tromboplastina activada: 23,2s; tempo de protrombina:10,4, D-dímero:2670 ug/L. Também foi solicitado Fator V de Leiden com resultado heterozigoto para o achado. Após 8 dias de internação paciente evoluiu com melhora clínica, realizou hipocoagulação durante seis meses, tendo como valor alvo de INR 2-3. Paciente segue em avaliação clinica com angiologista, fazendo uso prolongado de anticoagulante (Marevan), em uso vitalício.

Conclusões/Considerações finais

Conclusão: A paciente foi exposta a diversos fatores de riscos, tais como: predisposição genético, uso de CH, e VAs, tendo aumento primordial para as condições de desenvolvimento da TVP, demonstrando a importância de uma melhor avaliação médica ao passar CH e a profilaxia em viagens prolongadas para quem faz uso desse medicamento.

Palavras-chave

Palavras-chave: Anticoncepcional; Trombofilia; Trombose Venosa Profunda.

Área

Urgência e Emergência

Instituições

Faculdade de Medicina Nova Esperança - Paraíba - Brasil

Autores

RAQUEL XAVIER RODRIGUES, Ana Luiza Souza Matos, Maria Carolina Trigueiro Lucena Cavalcante, Miriam Campos Soares de Carvalho, Luana Ferreira Leite Araujo, Amanda Laysla Rodrigues Ramalho