Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PIODERMATITE-PIOESTOMATITE VEGETANTE EM PACIENTE COM DOENÇA DE CROHN: UM RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

A Doença de Crohn (DC) é uma desordem inflamatória relacionada à autoimunidade, cujas manifestações clínicas incluem lesões gastrointestinais, por vezes, também, na pele. A Piodermatite-Pioestomatite Vegetante (PVV) é uma enfermidade cutânea rara marcada por pápulas e pústulas que coalescem formando lesões vegetantes, predominantes em região inguinal, axilas e couro cabeludo, podendo atingir mucosa oral.

Objetivos

Relatar o caso de um paciente com DC que abriu quadro de Piodermatite-Pioestomatite Vegetante.

Delineamento e Métodos

A coleta de dados se deu por revisão de prontuário em hospital universitário na cidade de Natal-RN. O caso foi documentado através de exames laboratoriais, de imagem e histopatológicos. Realizou-se uma revisão na literatura com análise dos artigos científicos selecionados.

Resultados

Homem, 30 anos, solteiro, com diagnóstico de DC há cinco anos, apresentou vegetação verrucosa de aspecto purulento em região inguinal, lábios, asa do nariz e retroauriculares, acompanhadas de perda de peso e diarreia. O paciente procurou ambulatório de Dermatologia relatando que, há sete meses, notara aparecimento de lesões cutâneas maculares, as quais, nos dois últimos meses, tinham evoluído para lesões vegetantes. Trouxe estudo anatomopatológico exibindo epiderme com acantose pseudoepiteliomatosa, pústulas com acantose e predomínio de eosinófilos. Na ocasião, foi suspeitado psoríase paradoxal relacionada ao uso prévio de imunobiológico anti-fator de necrose tumoral (TNF). Entretanto, o paciente retornou após dois meses com piora clínica importante e se mantinha sem tratamento para DC. Trouxe nova biópsia cutânea excluindo psoríase e colonoscopia com atividade de Doença Inflamatória Intestinal (DII). Novo anatomopatológico mostrou epiderme com paraceratose focal, leve exocitose e espongiose com acantose irregular. Na derme, encontrou-se leve infiltrado inflamatório perivascular com colagenização em porção média e profunda.

Conclusões/Considerações finais

Constatou-se diagnóstico de Piodermatite-Pioestomatite Vegetante através de estudo anatomopatológico. A melhora do quadro ocorreu com o tratamento da DII com Ustequinumabe, corroborando com os dados da literatura que apontam a correlação supracitada, culminando em desfecho positivo da doença cutânea com o tratamento da doença intestinal.

Palavras-chave

Alterações cutâneas; Doença de Crohn; Piodermatite-Pioestomatite Vegetante

Área

Dermatologia

Instituições

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Rio Grande do Norte - Brasil

Autores

MARIA CLARA DE ARAUJO JALES, Amábilie Jales de Medeiros Silva, Ticiana Batista Ramos, Livia Medeiros Soares Celani