Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

AVALIAÇAO DOS NIVEIS DE ATIVIDADE FISICA EM ACADEMICOS DE MEDICINA

Fundamentação/Introdução

A atividade física é definida como qualquer movimento corporal produzido pela musculatura esquelética que requer gasto de energia acima dos níveis de repouso. Sua prática é considerada um meio de preservar e melhorar a saúde e a qualidade de vida do ser humano. O acadêmico de medicina por ter uma rotina estressante, apresenta-se vulnerável a consequências provenientes de um estilo de vida sedentário, como o aumento de doenças crônicas não transmissíveis.

Objetivos

Avaliar a prevalência do nível de atividade física em acadêmicos de medicina.

Delineamento e Métodos

Trata-se de um estudo transversal e quantitativo, realizado em acadêmicos de medicina de uma universidade em Sergipe. Utilizamos para coleta de dados o questionário internacional de nível de atividade física (IPAQ). A análise dos dados foi feita pelo programa R Core Team 2019, sendo o teste estatístico utilizado o Qui-Quadrado de Pearson, com nível de significância p<0,05.

Resultados

Participaram do estudo 286 acadêmicos, sendo 186 (64,4%) do sexo feminino, com idade média de 22,6 anos, divididos em 1º, 3º e 6º ano do curso. De forma geral, o IPAQ classificou 16,5% (n=47) dos acadêmicos como sedentários, 25,7% (n=73) como irregularmente ativo, 28,9% (n=82) como ativo e 28,9% (n=82) como muito ativo. Ademais, verificou-se que dos acadêmicos classificados como sedentários, 20,5% (n=17) pertenciam a acadêmicos do sexto ano. Dos 25,7% (n=73) acadêmicos classificados como irregularmente ativos, 32,1% (n=35) pertenciam ao primeiro ano. Dentre os 28,9% (n=82) tidos como ativos, 31,9% (n=29) pertenciam ao terceiro ano. Por fim, dentre os 28,9% (n=82) que foram classificados como muito ativos, 37,4% (n=34) pertencem ao terceiro ano. De modo geral, os acadêmicos apresentam um nível de atividade física ativo ou muito ativo, no entanto, quando separados pelos anos acadêmicos, os extremos estão relacionados com os menores índices de atividade física.

Conclusões/Considerações finais

Observou-se que os acadêmicos que apresentaram sedentarismo e níveis irregularmente ativos de atividade física, apresentam-se respectivamente no último e no primeiro ano do curso, respectivamente. Os classificados como ativos e muito ativos pertencem ao grupo do terceiro ano do curso. É notório que esses níveis podem estar relacionados aos níveis de adaptação ao curso no primeiro ano e ao internato no último ano, sendo necessário, portanto, propor estratégias para estimular a atividade física.

Palavras-chave

atividade física, medicina, acadêmicos.

Área

Endocrinologia

Instituições

Universidade Tiradentes - Sergipe - Brasil

Autores

BARBARA RAMOS LEITE, Marília de Lima Mota, Thais Francielle Santana Vieira, Elisandra de Carvalho Nascimento, Ingrid Cristiane Pereira Gomes