Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ASPERGILOSE INVASIVA EM PACIENTE DIAGNÓSTICADO COM GRANULOMATOSE EOSINOFÍLICA COM POLIANGEÍTE (SÍNDROME DE CHURG-STRAUSS): RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

Introdução/Fundamentos: A aspergilose pulmonar invasiva é uma importante causa de morbimortalidade em imunossuprimidos. A GRANULOMATOSE EOSINOFÍLICA COM POLIANGEÍTE (GEPA) é uma vasculite sistêmica rara, sendo o pulmão o órgão mais acometido. É caracterizada por infiltrado hipereosinofílico com formação de granulomas e pode se manifestar como asma, neuropatia periférica, sinusite e eosinfilia.O tratamento consiste principalmente no uso de imunossupressores.

Objetivos

Objetivos: Relatar quadro clínico de aspergilose pulmonar invasiva (API) em de paciente portador de GEPA e imunosupressão.

Delineamento e Métodos

Relato de caso: G.S.C, homem,30 anos, com quadro de tosse produtiva persistente, hemoptise e dor ventilatório dependente em hemitórax direito. Nega febre, prostração, hiporexia, náuseas ou vômitos. Alega diagnóstico prévio de GEPA, antiga Síndrome de Churg-Strauss, em tratamento com Ciclofosfamida e Prednisona. Ao exame físico estava normocorado, hidratado, anictérico, acianótico, afebril. Freqüência cardíaca de 114 batimentos por minuto; freqüência respiratória de 30 incursões respiratória por minuto; saturação de oxigênio de 91%. Aparelho Respiratório com murmúrio vesicular presente em ambos os hemitórax e abolidos em terço médio e inferior de hemitórax direito. Aparelho Cardiorespiratório e abdome sem alterações.

Resultados

A Tomografia de Tórax evidenciou consolidações arredondadas; escavação de 15 x 13 x 11,1 cm em lobo inferior direito, de paredes espessadas e irregulares, com septações e nível hidroaéreo (aspecto sugestivo de aspergilose angioinvasiva).Biópsia Transbrônquica mostrava apenas infiltrado linfocitário perivascular discreto; sem granulomas ou necrose. Pesquisa de bacilo álcool-ácido resistente negativa.Com base no quadro clínico de evolução rápida, hemoptises de repetição e aspecto radiológico altamente sugestivo, foi iniciado tratamento empírico com Anfotericina B. Durante seguimento ambulatorial, paciente manteve o uso de Itraconazol 200mg duas vezes ao dia por 6 meses e apresentou melhora clínica e radiológica progressiva, sem novos episódios de hemoptise. O tratamento imunossupressor foi mantido apenas com Azatioprina.

Conclusões/Considerações finais

Conclusões: A hipótese diagnóstica de API e abscesso pulmonar prevaleceram fundamentadas pela tomografia e sucesso terapêutico com a anfotericina B. A imunossupressão adotada para o tratamento da GEPA pode ser avaliada como fator predisponente para a instalação e evolução o quadro clínico.

Palavras-chave

Aspergilose pulmonar invasiva;Síndrome de Churg-strauss;Imunosupressão.

Área

Pneumologia

Instituições

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - Sergipe - Brasil

Autores

VALDSON DOS SANTOS, RUTE NASCIMENTO OLIVEIRA, JOANNA SEVERO, MARIA HELIZIADE DOS SANTOS, MARÍLIA FERRAZ DE OLIVEIRA MACEDO, DIOGO RAMON SANTOS