Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

A importância do diagnóstico e tratamento precoce da sífilis gestacional

Fundamentação/Introdução

A sífilis é uma doença infecciosa causada pelo Treponema palidum, a qual pode se manifestar como primária, secundária, terciária. O diagnóstico da sífilis em gestante, pode ser realizado no primeiro ou no terceiro trimestre como também através do teste rápido na Unidade de Saúde da Família (USF) ou no momento do parto. Essa infecção representa um grave problema de saúde pública, associado a complicações perinatais como a sífilis congênita (OLIVEIRA, 2018).

Objetivos

GERAL: Informar a importância do diagnóstico, direcionamento e tratamento da sífilis em gestante na Atenção Primária durante o pré-natal. ESPECÍFICOS: Avaliar como é realizado o diagnóstico da sífilis na Atenção Primária; Mostrar a importância do diagnóstico e tratamento da sífilis na gestação; Informar as consequências materno-fetais da sífilis na gestação.

Delineamento e Métodos

Trata-se de um relato de caso.

Resultados

L.S.L, sexo feminino, 23 anos, solteira, G1P0A0, iniciou pré-natal na Unidade de Saúde da Família Alto da Boa Vista I, da cidade de Bayeux - PB, dia 08/10/2019, trazendo, na ocasião da consulta, USG gestacional (04/10/19). Estando no curso de 17 semanas e 06 dias de gestação, foram solicitados os exames do 01º trimestre. No dia 18/12/2019, retornou à consulta, trazendo resultados dos exames. Na descrição dos resultados destes, o Anti-HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) e Hepatite B e C não reagentes e Sífilis reagente. Assim, foi orientado sobre a necessidade de repetir o exame de VDRL e o FTA-Abs. No dia 15/01/2020, retornou à consulta com 32 semanas e 02 dias, trazendo resultado de VDRL reagente (1/4) e FTA-Abs reagente. Dando seguimento, a enfermeira da UBS fez a notificação à Secretaria Municipal de Saúde e foi dado início ao tratamento. Foi prescrito Penicilina Benzatina 2.400.000 UI, de 7 em 7 dias durante 03 semanas, fazendo um total de 7.200.000 UI (1ª dose: 15/01/2020; 2ª dose: 22/01/2020; 3ª dose: 29/01/2020). A paciente relata que não sabe onde se encontra o parceiro para investigação do caso. No dia 19/02/2020, ela comparece à Unidade para consulta. No momento, a paciente encontra-se assintomática e com boa evolução gestacional.

Conclusões/Considerações finais

O diagnóstico de sífilis na gestante, associado ao acompanhamento terapêutico intensivo são primordiais para anular o risco de reinfecção e transmissão materno-fetal. Como evidenciado no relato de caso, observou-se que o direcionamento dessa gestante foi realizado de maneira adequada, seguindo o que preconiza pelo Ministério da Saúde.

Palavras-chave

Área

Clínica Médica Geral

Instituições

Faculdade de Medicina Nova Esperança - Paraíba - Brasil

Autores

ROBSON PRAZERES DE LEMOS SEGUNDO, Antônia Ivanecia Sampaio Cruz, Marina Gomes Marques, Priscilla Leite Costa Andrade, Emanuelle Cavalcanti Florêncio