Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

NEUROTOXOPLASMOSE COMO PRIMEIRA MANIFESTAÇÃO DA SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS): RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

A neurotoxoplasmose é uma grave infecção que acomete o sistema nervoso central (SNC) causada pelo protozoário Toxoplasma gondii. Uma evolução benigna é esperada em pacientes previamente sadios. Entretanto, corresponde a lesão com efeito de massa mais comum em indivíduos HIV+. Os exames laboratoriais de sorologia são pouco específicos nesse caso, enquanto exames de tomografia computadorizada e ressonância magnética apresentam grande importância diagnóstica.

Objetivos

Relatar a comunidade acadêmica caso clínico de Neurotoxoplasmose em indivíduo portador de AIDS;

Delineamento e Métodos

F.R.M., 45 anos, sexo feminino, procedente de João Pessoa (PB), procurou o Pronto Atendimento de Hospital da região apresentando cefaleia intensa, que não melhorava com o uso de analgésicos, associada a tremores, náuseas, vômitos e mialgia. Não apresentava sinais de irritação meníngea ao exame. Foi então realizada Tomografia Computadorizada (TC) sem contraste, que evidenciou cavum do septo pelúcido com desvio para o lado esquerdo. Além disso, observou-se lesão focal intra-axial ocupando a região nucleocapsular direita, associada a edema vasogênico circunjacente, achados que favoreceram possibilidade de natureza inflamatória e infecciosa. No seguimento, a paciente referiu cefaleia holocraniana fortemente agravada com ortostatismo.

Resultados

Realizou-se, então, Ressonância Magnética (RM) para melhor estudo que demonstrou lesão de efeito expansivo significativo, com apagamento difuso dos sulcos corticais, associado a desvio da linha média para esquerda com componente de herniação uncal. A paciente passou a ser medicada com Dexametasona e foram solicitados exames laboratoriais incluindo sorologia Anti-HIV I e II, a qual foi positiva. Presumiu-se então o diagnóstico de neurotoxoplasmose, tendo sido iniciado o tratamento com Sulfadiazina, Pirimetamina e Ácido Folínico, além de terapia antiretrovial. Em seguida foram solicitados contagem de linfócitos CD4+ e carga viral do HIV para acompanhamento, no momento a paciente encontra-se em tratamento e sem novas queixas.

Conclusões/Considerações finais

O caso relatado evidenciou quadro clínico típico de neurotoxoplasmose. Entretanto, têm-se a patologia como primeira manifestação da síndrome da imunodeficiência adquirida. Dessarte, após a suspeição clínico-radiológica, torna-se imperativa a realização de testagem sorológica para HIV. Assim, fica clara a necessidade da identificação prévia da doença, pois tal medida influenciará diretamente no curso do tratamento.

Palavras-chave

Área

Endocrinologia

Instituições

FAMENE - Paraíba - Brasil

Autores

AMANDA MARIA GONÇALVES DE LUCENA, Camila Melo do Egypto Teixeira, Sabrina Severo de Macêdo Duarte