Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

TAMPONAMENTO CARDÍACO: APRESENTAÇÃO INICIAL DE MEDIASTINITE FIBROSANTE

Fundamentação/Introdução

Introdução: A mediastinite fibrosante (MF) é uma incomum desordem caracterizada pela proliferação de tecido fibroso denso no mediastino, apresenta-se como uma massa concentrada ou como uma infiltração difusa. Afeta normalmente jovens, com uma forte predileção por mulheres e apresenta quadros clínicos que vão desde a benignidade até a obstrução de estruturas mediastinais vitais, como vasos, vias aéreas e esôfago. Alguns quimioterápicos, como paclitaxel, ciclofosfamida, bleomicina, bussulfano, carmustina e gemcitabina estão associados com fibrose pulmonar e podem estar relacionadas com a mediastinite fibrosante, com incidências de 1% a 10%.

Objetivos

Objetivo: Descrever uma manifestação tardia de mediastinite fibrosante após tratamento quimioterápico para neoplasia de mama, tendo como apresentação clínica inicial um derrame pericárdico importante com tamponamento.

Delineamento e Métodos

Descrição do caso: Paciente do sexo feminino de 64 anos, portadora de neoplasia de mama (carcinoma ductal invasivo, receptor hormonal positivo e HER-2 positivo). Fora submetida a mastectomia em 2018, seguido de tratamento adjuvante com paclitaxel, trastuzumabe, seguido de anastrazol. Durante rotina oncológica, a radiografia de tórax que evidenciou aumento da área cardíaca. O ecocardiograma evidenciou um derrame pericárdico importante com repercussão hemodinâmica, sendo encaminhada com urgência para drenagem pericárdica.

Resultados

O líquido pericárdico e histologia do pericárdio não demonstraram acometimento neoplásico, apenas inflamatório. Após o procedimento cirúrgico, o ecocardiograma evidenciou aumento importante da espessura na topografia do átrio direito e no sulco atrioventricular, motivando a realização de uma tomografia de tórax em que evidenciou sinais importante de mediastinite fibrosante. Um ano após, a paciente segue em uso de anastrazol, colchicina sem sintomas.

Conclusões/Considerações finais

Conclusões: A possibilidade de MF deve ser considerada em todos os pacientes que apresentam dispneia e passaram por tratamento quimioterápico. Complicações da MF como estenose das artérias e veias pulmonares podem limitar tratamentos quimioterápicos. Existe também a associação entre a realização de radioterapia e o desenvolvimento de MF. Não há descrição de apresentação inicial de MF como derrame pericárdico importante. O caso mostra a raridade da manifestação clínica no contexto descrito, reforçando a importância da multimodalidade de imagem e no seu uso criterioso para seu diagnóstico.

Palavras-chave

Mediastinite; Fibrose; Tamponamento Cardíaco; Quimioterapia Adjuvante.

Área

Oncologia

Instituições

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - Paraíba - Brasil

Autores

ALUISIO MONTEIRO NETO, ALVARO BRAGA DUTRA, FILIPE MELO LEITE, LOUYSE JERONIMO MORAIS, VITOR MEDEIROS DELGADO, MARCELO DANTAS TAVARES