Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

DELIRIUM POR ENCEFALITE FÚNGICA: RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

O delirium é uma condição tipificada por distúrbios na cognição, de início agudo, flutuante ao longo do dia, reversível, associado a condições médicas subjacentes e de difícil diagnóstico. A encefalite, por sua vez, é uma emergência neurológica que pode causar incapacidade severa ou morte, caracterizada por inflamação do parênquima cerebral como consequência de infecções ou doenças autoimunes. Seus sintomas mais comuns consistem em alterações do estado mental e déficits motores e sensoriais.

Objetivos

Atestar a importância da suspeição clínica de encefalites em pacientes que se apresentam com quadro de alterações do nível de consciência.

Delineamento e Métodos

MBFS, sexo feminino, 38 anos, chegou ao pronto-socorro com quadro de rebaixamento do nível de consciência (Glasgow: 9) e aspecto convulsivo tônico-clônico generalizado, de difícil controle. Foi medicada com diazepam 30 mg, fenitoina 1,4 g , fenobarbital 700mg, mantendo-se refratária a todas as medicações. Foi sedada com propofol e midazolam e submetida a intubação orotraqueal. A paciente tinha diagnóstico prévio de epilepsia, fazia uso de topiramato 50mg/dia, e, apresentava deficiência mental de base. Após 3 dias intubada, realizou extubação. Ao exame físico apresentava melhora do nível de consciência (Glasgow: 14) e foi percebida a existência de flutuação do nível de consciência, com períodos de agitação psicomotora e hipoatividade. Não estabelecia comunicação e apresentava resposta lentificada a estímulos dolorosos.

Resultados

Solicitou-se hemograma que demonstrou leucocitose neutrofílica, culminando no emprego de ceftriaxona 8g/dia e vancomicina 2g/dia, sem melhora clínica. Aventou-se a hipótese de o delirium ter sido ocasionado pela intervenção medicamentosa, mas como sua condição progredia de forma rápida, suspeitou-se também de encefalite. O exame do líquor evidenciou pleocitose linfocítica, níveis de proteína elevados e glicose baixa, e a hemocultura, presença de Coccidioides, um gênero de fungos. Iniciou-se terapia medicamentosa com Itraconazol 1,2g/d, obtendo melhora do quadro neurológico após 24 horas do antifúngico.

Conclusões/Considerações finais

O Delirium, mesmo com difícil diagnóstico, deve ser investigado com precisão, visto que pode estar relacionado a causas com possível letalidade e disfunção, a exemplo da encefalite. O diagnóstico diferencial evita iatrogenia e morbidades, além de culminar em tratamento eficaz.

Palavras-chave

Delirium; Encefalite fúngica; psiquiatria; infectologia

Área

Infectologia

Instituições

Universidade Potiguar - Rio Grande do Norte - Brasil

Autores

TAYLA CRISTINA LOPES, Bernardo Rosado Negreiros Gadelha Simas, Victor José Rosado Negreiros de Sá Rosado, Tayrine Hérika Lopes, Viviane Rosado Negreiros d`Assunção, Ricardo André Medeiros Negreiros