Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PÚRPURA TROMBOCITOPÊNICA IDIOPÁTICA ASSOCIADA AO USO INDISCRIMINADO DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS: RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

Introdução: A Púrpura Trombocitopênica Idiopática (PTI) é uma doença hematológica de causa desconhecida que se caracteriza pela produção de autoanticorpos direcionados à membrana plaquetária. O quadro clínico da PTI consiste na presença de sangramentos, principalmente cutâneos e mucosos, que podem levar à hemorragia fatal em 5% dos casos. Seu diagnóstico é definido pela presença de trombocitopenia isolada que não se relaciona a infecções, doenças autoimunes ou neoplasias. A abordagem terapêutica consiste na pulsoterapia com corticosteroides e, em casos mais graves, na esplenectomia.

Objetivos

Objetivos: Relatar o caso de um paciente diagnosticado com PTI que teve seu quadro agravado pelo uso indiscriminado de anti-inflamatórios não esteroidais (AINES). Além disso, visa-se frisar as consequências negativas da automedicação.

Delineamento e Métodos

Descrição do caso: Paciente masculino, 27 anos, deu entrada em um serviço de pronto-atendimento apresentando sangramentos cutâneos e mucosos há 7 dias. Referiu automedicação diária com altas doses de AINES. Seu exame físico evidenciou presença de equimose e de petéquias em todo o corpo. O hemograma apontou uma contagem de 1000 plaquetas/µL de sangue. Após receber concentrados de plaquetas, foi encaminhado para um hospital de maior porte a fim de realizar uma investigação mais aprofundada do quadro apresentado. Nesse serviço, visando encontrar uma etiologia para o caso supracitado, foram solicitados diversos exames complementares, porém, a exceção do coagulograma, não houveram outras alterações.

Resultados

Logo, o paciente foi diagnosticado com PTI agravada pelo uso indiscriminado de AINES, levando em consideração seu exame clínico e o conhecimento científico existente dessa patologia. A terapêutica instituída foi a pulsoterapia com metilprednisona e prednisona. O paciente evoluiu assintomático, sem sangramentos e com ascensão plaquetária, sendo encaminhado para acompanhamento ambulatorial.

Conclusões/Considerações finais

Considerações finais: Este trabalho evidenciou que a PTI, apesar de ser uma enfermidade autoimune e de etiologia desconhecida, pode ser exacerbada por situações como a do uso abusivo de AINES. Assim, a despeito de ser vista como uma solução para o alívio de alguns sintomas, a automedicação pode trazer consequências graves. Diante disso, torna-se imprescindível que a população tenha cada vez mais acesso acerca das implicações da pratica de se automedicar.

Palavras-chave

Palavras-chave: Púrpura Trombocitopênica Idiopática; Automedicação; Complicações.

Área

Hematologia

Instituições

FAMENE - Paraíba - Brasil

Autores

BRENDA HELEN ALBUQUERQUE DE ARAUJO, Luana Ferreira Leite Araújo, Ana Luiza Souza Matos, Amanda Laysla Rodrigues Ramalho, Maria Carolina Trigueiro Lucena Cavalcante, Raquel Xavier Rodrigues