Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

SÍNDROME DE FANCONI SECUNDÁRIA AO USO DE TENOFOVIR DISOPROXIL FUMARATO: RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

Introdução: A síndrome de Fanconi é disfunção rara na reabsorção eletrólitos, aminoácidos e glicose pelo túbulo renal proximal. Entre as causas, está o uso de tenofovir disoproxil fumarato (TDF), primeira linha de tratamento do HIV. Manifesta-se com sede, poliúria, fadiga, parestesia, tremores, fraqueza muscular, hipocalemia, hipofosfatemia, hipercloremia e acidose metabólica. Altos níveis de aminoácidos, fosfato, bicarbonato e glicose na urina de 24h sugerem o diagnóstico. O tratamento é suspensão imediata do TDF e reposição de eletrólitos, com recuperação da função renal.

Objetivos

Objetivo: relatar caso de síndrome de Fanconi secundária ao uso de TDF.

Delineamento e Métodos

Delineamento e método: estudo descritivo com dados coletados em prontuário.

Resultados

Resultado: paciente de 34 anos, diagnosticou HIV em 2012 (gestante). Iniciou terapia antirretroviral (TARV) com Biovir e Kaletra, interrompida após o parto7. Retornou em 2018, com reinício da TARV com lamivudina (3TC), TDF, atazanavir (ATV) e ritonavir (RTV), desde então em acompanhamento regular (CD4: 398 células/mm3 e carga viral: não detectável). Em dezembro/2019, iniciou quadro progressivo de astenia, mialgia, tremores, dores ósseas e tetraparesia proximal, com dor e dificuldades para movimentar mãos. Foi internada em janeiro/2020 após queda da própria altura e PA: 200x140mmHg. Apresentava as seguintes dosagens séricas: creatinina: 2,45 (0,57-1,11mg/dL); uréia: 62 (21-43mg/dL), ácido úrico: 1,8 (2,6-6mg/dL), potássio: 1,7 (3,5-5,1mEq/L); sódio: 133 (136-145mEq/L), cloreto: 123 (98-107mg/dL), fosfato: 0,7 (2,6-4,5md/dL); magnésio: 1,2 (1,6-2,6mg/dL); e proteinúria de 24h: 1570 (30-140mg/24h), relação proteína/creatinina urinária: 2,08 (<0,2) e glicosúria: +. A TARV foi modificada para 3TC, abacavir (ABC), darunavir (DRV) e RTV. Passou-se cateter venoso central (CVC) para repor potássio, evoluiu com febre, calafrios, sudorese, palidez, desconforto respiratório, diarreia. Na hemocultura cresceu Acinetobacter baumanii, tratado com ciprofloxacino e ceftriaxona por 10 dias. A função renal normalizou, apesar de manter reposição de potássio.

Conclusões/Considerações finais

Conclusão: o reconhecimento precoce e o tratamento agressivo da síndrome de Fanconi em pacientes em uso de TDF, com a descontinuação dessa medicação, previne injúria renal permanente, dores ósseas e fraturas patológicas. Pacientes devem ser regularmente monitorados durante seu uso, diminuindo risco de seus efeitos deletérios, com garantia de melhor qualidade de vida.

Palavras-chave

Área

Infectologia

Instituições

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - Paraíba - Brasil

Autores

NATALIA FELIX CARVALHO, MARIA CONCEIÇÃO MEDEIROS SIMÕES, CLARISSA BARROS MADRUGA, ANA ISABEL VIEIRA FERNANDES, KILMA VIEIRA PINTO SOUZA, YURI LEITE ELOY