Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ZOSTER SINE HERPETE

Fundamentação/Introdução

O herpes-zóster (HZ) é uma doença infecciosa provocada pela reativação do vírus varicela-zóster caracterizada por manifestações cutâneas dolorosas. A reativação desse vírus leva a uma síndrome caracterizada por dor neuropática e rash vesicular característico. Em raros casos, observa-se dor radicular na ausência do rash, condição conhecida como zoster sine herpete. A dor neuropática pode ser dividida em três fases distintas: aguda, subaguda e crônica. A fase aguda é a dor que se instala dentro de 30 dias após o início das erupções cutâneas. Já a fase subaguda caracteriza-se pela dor que persiste além da fase aguda, mas que resolve antes do diagnóstico de neuralgia pós-herpética (NPH) ser feito. Ademais, a terceira fase é a chamada de NPH propriamente dita, com a dor persistindo por 120 dias ou mais após o exantema. Nesse cenário, a zoster sine herpete pode ser mais grave que as manifestações usuais da herpes zóster, sendo um diagnóstico diferencial importante para diversas dermatoses.

Objetivos

Relatar caso de zoster sine herpete.

Delineamento e Métodos

Paciente do sexo feminino, 74 anos, com antecedentes de hipertensão arterial, diabetes mellitus tipo 2 e hérnia de disco lombar abordada cirurgicamente há 20 anos, foi admitida com quadro de dor em região lombar direita (nível sensitivo entre T11 e L4) associada à hiperestesia, de início há 1 semana. Ao exame físico, não apresentava lesões cutâneas. Relatava quadro semelhante há alguns meses, sendo, na ocasião, realizada sorologia para varicela zoster com resultado positivo. Foi iniciado tratamento com Aciclovor e analgesia com Metamizol, Cetoprofeno, Morfina e Pregabalina. Cursou com controle insatisfatório da dor e obstipação intestinal importante, sendo suspenso o Aciclovir. Após 4 dias, apresentou piora da dor neuropática.

Resultados

A terapia com antiviral foi retomada, sendo realizada passagem de cateter peridural para controle do quadro álgico. A paciente evoluiu, então, com melhora significativa, apresentado-se, no momento, com dor controlada e sem lesões dermatológicas.

Conclusões/Considerações finais

A zoster sine herpete representa uma rara ocorrência de dor crônica radicular sem erupção cutânea, configurando um desafio diagnóstico. O relato visa salientar a necessidade de considerar o diagnósticos de herpes zoster mesmo na ausência do quadro dermatológico característico.

Palavras-chave

zoster sine herpete, neuropatia, raro.

Área

Infectologia

Instituições

Universidade Tiradentes - Sergipe - Brasil

Autores

BARBARA RAMOS LEITE, Marilia de Lima Mota, Stella Costa Todt, Matheus Todt Aragão