Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

HISTOPLASMOSE DISSEMINADA: RELATO DE CASO EM PACIENTE GESTANTE IMUNOSSUPRIMIDA

Fundamentação/Introdução

A histoplasmose é uma doença infecciosa endêmica em várias regiões tropicais e subtropicais. Aproximadamente 95% das infecções em indivíduos imunocompetentes são assintomáticas. No entanto, em indivíduos imunossuprimidos a infecção pode se manifestar de forma grave e disseminada que quando não tratada evoluem em até 80% para o óbito.

Objetivos

Descrever um caso de histoplasmose disseminada em uma paciente gestante imunossuprimida.

Delineamento e Métodos

Paciente de 28 anos, primigesta (6ª semanas de gestação), deu entrada em uma unidade de referência por apresentar mialgia, cefaleia e náuseas, associado a registros febris intermitentes. Ao exame físico a paciente se apresentava orientada em tempo e espaço, normocorada, normotensa, frequência cardíaca de 89 batimentos/min, frequência respiratória de 18 respirações/min e temperatura de 38,7ºC. Foram observadas pápulas violáceas em tronco e leve esplenomegalia. Foram solicitados hemograma, transaminases, sorologias para HIV, sífilis, hepatite B e C, rubéola, hemoculturas, biópsia das lesões em pele e ultrassonografia (USG) transvaginal.

Resultados

Os resultados revelaram pancitopenia, sorologia positiva para HIV com contagem de CD4 de 67 cél/mm 3 , carga viral de 13.000 cópias. A USG confirmou a gestação tópica compatível com a idade gestacional. A paciente foi internada e iniciou a terapia antirretroviral. Foi administrado tratamento com sulfametoxazol-trimetoprim e azitromicina profilático. Paciente evoluiu ao 5º dia com vômitos e dispneia, apresentado à auscultação estertores em base pulmonar direita. O quadro foi interpretado como uma pneumonia nosocomial, sendo iniciada antibioticoterapia empírica de amplo espectro. Ao 6º dia a paciente evoluiu com aborto e piora da função respiratória, sendo realizada a intubação. Ao 7º dia foi confirmada a infecção pelo H. capsulatum, sendo iniciado o tratamento com anfotericina B. A paciente evoluiu com deterioração da função renal, ao qual se iniciou dialise. Ao 9º dia a paciente evolui com óbito em decorrência de infecção fúngica disseminada.

Conclusões/Considerações finais

Apesar de sua gravidade, ainda são escassos os estudos que analisam a ocorrência da infecção pelo H. capsulatum e gestantes portadoras do HIV. A letalidade da infecção por H. capsulatum em indivíduos imunossuprimidos é alta. Pacientes grávidas já apresentam um estado de imunossupressão que quando associado a infecção pelo HIV, essa condição aumenta consideravelmente o risco de complicações e óbitos nesse grupo.

Palavras-chave

Histoplasmose; Gestante; Imunossupressão

Área

Infectologia

Instituições

Faculdade de Medicina de Olinda - Pernambuco - Brasil, Faculdade São Miguel - Pernambuco - Brasil, Instituto Aggeu Magalhães-FIOCRUZ - Pernambuco - Brasil, Universidade Federal de Pernambuco - Pernambuco - Brasil

Autores

DENER GERUSO COSTA MASCARENHAS, Eduardo Brandão, Iasmyn Dayanne Santos do Nascimento, Camila Dias Dantas Roehe, Paulo Sérgio Ramos de Araújo