Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E HISTOLÓGICAS DE PACIENTES MASCULINOS E FEMININOS COM NEFRITE LÚPICA

Fundamentação/Introdução

O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é definido como uma doença autoimune com produção de anticorpos contra os componentes nucleares da célula, de difícil entendimento fisiopatológico. A doença apresenta um amplo quadro clínico, sendo descrita, predominantemente, em mulheres, entre 35-45 anos, de incidência maior no sexo masculino. Nos homens tem variações de acometimentos orgânicos, apresentando maior taxa de mortalidade e menor tempo de sobrevida. Diversos estudos demonstraram que apesar da relação mulheres com LES serem muito mais prevalentes, o sexo masculino por si só é um fator de riso para mortalidade, desenvolvimento de Nefrite Lúpica (NL) com pior evolução e mais, frequentemente das classes proliferativas, convulsões e outras alterações como serosites e vasculites.

Objetivos

Identificar as características clínicas e histológicas por gênero entre pacientes com NL.

Delineamento e Métodos

O estudo foi realizado em pacientes com diagnóstico de NL, confirmado por biópsia renal entre 2011 e 2018, em acompanhamento regular nos ambulatórios de glomerulopatias de dois hospitais universitários de Pernambuco. Foram coletadas dos prontuários dos pacientes variáveis demográficas, clínicas, laboratoriais e histológicas, além dos critérios SLICC do LES. Para comparação das variáveis entre os sexos foram utilizados os testes qui-Quadrado, t Student e Mann-Whitney.

Resultados

Do total de 200 pacientes incluídos, 22 eram do sexo masculino (11%). No comparativo dos parâmetros histológicos entre os sexos, os homens apresentaram menos classes mistas (10,5% x 34,9%, p 0,03) e mais classes proliferativas (68,4% x 40,1%, p 0,02). Já nos parâmetros renais, os homens apresentaram maiores níveis de proteinúria (4,5g x 3,0g, p 0,04), mais síndrome nefrótica (66,7% x 41,5%, p 0,03) e menos hematúria/proteinúria não-nefrótica (4,8% x 28,7%, p 0,02) como motivo para biópsia renal. Na análise dos parâmetros sistêmicos, os homens apresentaram menos manifestações articulares (50,0% x 73,6%, p 0,02) e alopecia (4,5% x 32,0%, p 0,007).

Conclusões/Considerações finais

Nosso estudo apresenta concordância com a literatura, ao evidenciar estatisticamente que, em comparação com mulheres, os homens apresentam maiores níveis de proteinúria e síndrome nefrótica, histologicamente apresentando maior incidência de classes proliferativas de NL, acarretando uma maior incidência de desfechos desfavoráveis e, portanto, provocando a necessidade de um alto grau de suspeição na evolução clínica desses pacientes.

Palavras-chave

Lúpus Eritematoso Sistêmico; Nefrite Lúpica ; Gênero

Área

Nefrologia

Instituições

Universidade Federal de Pernambuco - Pernambuco - Brasil

Autores

MARIA EDUARDA GUEDES DA ROCHA, IGOR DANIEL FLORENCIO DE MELO, BEATRIZ DE MEDEIROS PIMENTEL, BRÁULIO FERNANDO SILVEIRA DA SILVA, PEDRO ALVES DA CRUZ GOUVEIA