Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

NEUROSSÍFILIS APRESENTANDO-SE COMO CEFALEIA COM SINAIS DE ALARME POR PAQUIMENINGITE: RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

A sífilis é uma doença infecciosa causada pelo Treponema pallidum. A neurossífilis (NS) é uma complicação incomum atualmente, porém presente em cerca de 30% dos pacientes não-tratados. NS possui duas principais manifestações: meningovascular e parenquimatosa, sendo a primeira a mais frequente e caracterizada por espessamento difuso da meninge com infiltrado linfocítico perivascular. A maioria dos pacientes é assintomática, mas pode haver sintomatologia inespecífica (rigidez de nuca, cefaleia, náuseas e vômitos). Não existe consenso claro para o diagnóstico da NS, sendo este uma combinação de exames de imagem, como a ressonância nuclear magnética (RNM), análise de líquido cefalorraquidiano (LCR), laboratório e quadro clínico. O tratamento é feito com penicilina cristalina.

Objetivos

Relatar o caso de um paciente com NS se apresentando na forma de cefaleia com sinais de alarme.

Delineamento e Métodos

Homem de 41 anos, admitido com relato de cefaleia há cerca de 45 dias, diária, de localização frontal, caráter pulsátil e forte intensidade, com piora em posição ortostática e ao ato de tossir.

Resultados

Realizada RNM, que demonstrou espessamento meníngeo difuso, com impregnação pelo agente de contraste, compatível com paquimeningite, inferindo processo inflamatório/infeccioso. Relatava ainda passado de úlcera genital indolor não tratada. Nos exames laboratoriais, foram evidenciados teste treponêmico e VDRL séricos reagentes, sendo então realizada a coleta de LCR para estudo. O VDRL do líquor foi negativo e a celularidade estava dentro da normalidade, porém, os níveis de proteína no LCR se encontravam elevados (51 miligramas). Devido tais achados, foi optado por administração de penicilina cristalina durante 14 dias para tratamento de neurossífilis, tendo o paciente evoluído com remissão total da sintomatologia após instituição da terapêutica.

Conclusões/Considerações finais

Apesar de manifestação sintomatológica atípica (cefaleia com sinais de gravidade), em vista da história clínica, exames laboratoriais e ressonância magnética com achado sugestivo, foi dado diagnóstico de NS. A melhora completa do quadro após o curso do tratamento corroborou com o diagnóstico.

Palavras-chave

Neurossífilis; Cefaleia com sinais de alarme; Paquimeningite

Área

Infectologia

Instituições

Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco - Pernambuco - Brasil

Autores

JOSE EMERSON PAZ SOARES, GABRIELA AZEVEDO NICODEMOS CRUZ, MARIANA LIRA FONTE, MYLENA CAROLINA MEDEIROS SILVA, AMANDA CARVALHO ALMEIDA MEDEIROS, PEDRO ALVES CRUZ GOUVEIA