Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PROTOCOLO DE MORTE ENCEFÁLICA: UM ESTUDO DE CASO

Fundamentação/Introdução

INTRODUÇÃO. A morte encefálica (ME) é quando as funções cerebrais e do tronco encefálico estão irreversivelmente comprometidas. Dentre as causas, o traumatismo crânioencefálico (TCE) se destaca, sendo causado principalmente por acidentes de trânsito. No Brasil, 32% das causas de ME 2016 foram por TCE. Os procedimentos para determinar ME devem ser iniciados em pacientes que apresentam coma não perceptivo, ausência de reatividade supraespinhal e apneia, necessitando preencher alguns pré-requisitos, como lesão encefálica de causa conhecida e irreversível, sem condições confundidoras para o coma, tratamento e observação hospitalar de no mínimo 6 horas e ausência de hipotermia.

Objetivos

OBJETIVOS. Relatar caso de uma vítima de TCE com intensa perda de massa encefálica, que preencheu os critérios clínicos do protocolo de ME, mas apresentou ausência de parada circulatória ao Doppler Transcraniano.

Delineamento e Métodos

DESCRIÇÃO DO CASO. E.C.L., masculino, 22 anos, vítima de acidente automobilístico, admitido no centro de referência de trauma de Alagoas. Na admissão, o paciente estava sob ventilação mecânica, em uso de droga vasoativa, Escala de Coma de Glasgow 3, pupilas anisocóricas e midríase à esquerda, sem fotoreação. A tomografia de crânio mostrou fratura frontotemporal bilateral, apagamento das cisternas, hematoma subdural laminar frontal à direita, hemorragia de pedúnculo mesencefálico e perda de massa encefálica, foi indicado tratamento conservador pela neurocirurgia. O paciente foi levado para a Unidade de Terapia Intensiva, que chegou em uso de sedação com Midazolan e Fentanil. Foi desligada a sedação, feita ressuscitação volêmica e Noradrenalina, suporte intensivo e aberto protocolo de ME;

Resultados

O primeiro e o segundo testes clínicos provaram teste de apneia positivo para ME e sem reflexos do tronco encefálico. Porém, ao realizar o Doppler, verificou-se presença de fluxo sanguíneo em artérias cerebrais médias, anteriores e carótidas internas. O Doppler foi repetido a cada 24h, porém, apesar da constante perda de massa encefálica, não teve parada da circulação. Nos dias subsequentes, o paciente teve uma parada cardiorrespiratória e foi a óbito.

Conclusões/Considerações finais

CONCLUSÃO. O caso relatado discute o protocolo de morte encefálica e o resultado inesperado do Doppler frente a situação gravíssima do paciente; situação comum em pacientes submetidos à craniectomia descompressiva ou válvula de derivação ventricular, neonatos com fontanela aberta e uso de balão intra-aórtico, o que não corresponde ao caso.

Palavras-chave

Morte encefálica; Terapia Intensiva; Ultrassonografia Doppler Transcraniana.

Área

Medicina Intensiva

Instituições

Centro Universitário Tiradentes - Alagoas - Brasil

Autores

SANTILIA TAVARES RIBEIRO DE CASTRO E SILVA, Rayana Ribeiro Trajano De Assis, Izabelle Barbosa Da Silva, Claúdio Gabriel Pinto, Carlos Henrique Bezerra De Siqueira, Maria Alexsandra Eugenia Da Silva