Congresso Norte-Nordeste de Clínica Médica e Medicina de Urgência e Emergência

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

MUCOSITE GRAVE INDUZIDA PELO USO DE METOTREXATO EM PACIENTE LÚPICA EM HEMODIÁLISE

Fundamentação/Introdução

O metotrexato (MTX) é uma droga imunossupressora muito utilizada na prática médica. Possui efeitos adversos graves, pouco relatados, como a indução de mucosite, condição inflamatória que compromete a alimentação, promove sangramento e aumenta o risco de infecções locais e sistêmicas.

Objetivos

Relatar um caso de mucosite grave associada a pancitopenia após uso de dose baixa de MTX em paciente com nefrite lúpica dialítica.

Delineamento e Métodos

Paciente feminina de 18 anos com lesões em cavidade oral associadas a odinofagia e febre diária há cerca de três dias. Apresenta diagnóstico de lúpus eritematoso sistêmico (LES) há três anos e realizava hemodiálise por nefrite lúpica classe IV refratária, há cinco meses. Realizava tratamento com hidroxicloroquina 400mg/dia e prednisona 30mg/dia. Há 15 dias da admissão, foi atendida em serviço de reumatologia com surgimento de rash malar associado a artralgia, ocasião na qual foi prescrito MTX 7,5mg aos sábados. Fez duas doses do MTX e poucos dias após a primeira dose apresentou múltiplas lesões ulceradas com sangramento ativo em mucosa labial e gengiva, com limitação importante da abertura bucal, além de febre alta. Nos exames laboratoriais, evidenciou-se pancitopenia e aumento de enzimas hepáticas, levando à hipótese de toxicidade pelo uso do MTX. Realizou mielograma que evidenciou medula hipocelular nas séries granulocítica, vermelha e megacariocítica.

Resultados

Após cerca de uma semana de tratamento da mucosite com solução oral contendo mistura de vitaminas do complexo B, nistatina, dexametasona, bicarbonato, lidocaína e morfina, paciente apresentou melhora proeminente do quadro de mucosite, além de melhora gradual dos níveis hematimétricos e enzimas hepáticas, após suspensão do MTX. A intoxicação por MTX varia acentuadamente de acordo com a dosagem e duração, entretanto em pacientes com disfunção renal pode ocorrer mesmo com baixas doses. Além da apresentação clínica de mucosite, toxicidade renal, hepática e hematológica, seu uso pode cursar com toxicidade pulmonar, neurológica e dermatológica.

Conclusões/Considerações finais

Apesar de seu uso frequente na prática médica, reforçado pelo baixo custo e ampla disponibilidade, a prescrição do MTX deve ser avaliada de forma criteriosa, já que pode levar a efeitos de toxicidade grave, notadamente mucosite, mesmo em baixas doses em pacientes em hemodiálise.

Palavras-chave

Mucosite; Metotrexato; Lúpus.

Área

Reumatologia

Instituições

Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco - Pernambuco - Brasil

Autores

WALESKA TEIXEIRA RICARTE DE FREITAS, CAROLINA CAVALCANTI GONÇALVES FERREIRA, MATHEUS AUGUSTO DE OLIVEIRA AMORIM, MARIANA PILE DE BARROS TORRES, PEDRO ALVES DA CRUZ GOUVEIA